Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Bandeiras do Uruguai

(afp_tickers)

O Uruguai reiterou seu desejo de se tornar um Estado associado da Aliança do Pacífico, durante a última reunião de cúpula do bloco realizada na Colômbia há uma semana, indicou o chanceler Rodolfo Nin Novoa em entrevista à Radio Oriental nesta quarta-feira.

"O que acontece agora é a solicitação para ser um Estado associado, em virtude dos elevados padrões (de abertura comercial) que temos no marco da Aladi (a Associação Latino-Americana de Integração) com os quatro países da Aliança", disse Nin Novoa à rádio.

Portanto, é necessário "que a Aliança defina se nos aceita. Se nos aceitar, vai nos enviar os termos de referência (para o acordo). Vamos ver, discutir e se servirem para nós vamos nos tornar um Estado associado", explicou.

Criada em abril de 2011 e formalizada em julho de 2012, a Aliança do Pacífico teve uma reunião de seus presidentes no dia 30 de junho em Cali, na Colômbia. Os quatro membros do bloco - Chile, Colômbia, México e Peru - enfatizaram a importância da abertura comercial em tempos de "incerteza e ceticismo" acerca do livre-comércio.

O Uruguai busca caminhos adicionais à aliança com os países do Mercosul (Brasil, Argentina e Paraguai), bloco que tem avançado pouco comercialmente e que tenta negociar um complexo tratado de livre-comércio com a União Europeia.

AFP