Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rodolfo Nin Novoa durante reunião extraordinária da Unasul, no Equador, no último dia 14 de março de 2015

(afp_tickers)

O chanceler uruguaio Rodolfo Nin Novoa manifestou nesta segunda-feira que seu governo está muito preocupado com a situação na Venezuela, depois das denúncias sobre torturas nas prisões e a autorização oficial para reprimir manifestações com armas de fogo.

O chanceler do presidente Tabaré Vázquez expressou que alguns episódios ocorridos ou denunciados na Venezuela sob o governo de Nicolás Maduro geram muita preocupação no Uruguai.

"Principalmente para um país que viveu as mesmas condições que estão vivendo parte dos venezuelanos (...) há mais de 30 anos e tivemos de pedir ajuda ao mundo", afirmou Nin em clara alusão às violações dos direitos humanos durante a ditadura uruguaia iniciada em 1973.

Ele comentou assim o recente relatório da Anistia Internacional (AI), "Venezuela, as faces da impunidade", que denuncia mortes de manifestantes por disparos de policiais ou grupo pró-governamentais, torturas e prisões arbitrárias.

AFP