Navigation

Uruguai muda de governo e extingue era progressista

O centro-direitista Luis Lacalle Pou afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 28. fevereiro 2020 - 18:05
(AFP)

O centro-direitista Luis Lacalle Pou assumirá no próximo domingo a presidência do Uruguai, pondo fim a 15 anos de governos de esquerda, que impulsionaram reformas sociais, mas que deixaram ao país o desafio de revitalizar a economia e reduzir a insegurança.

Lacalle Pou, de 46 anos, chega ao poder após uma segunda tentativa, depois de ter derrotado em novembro Daniel Martínez, por 37 mil votos (1,5%).

Para chegar a esse resultado, o líder do Partido Nacional (centro-direita) organizou uma coalizão com cinco forças políticas, desde o centro até uma direita mais radical, que permitiu unir a insatisfação com as autoridades da Frente Ampla (FA) e desenvolver a ideia de que havia a necessidade de mudança no país.

- Fragilidades e urgências -

Em um país dividido, Lacalle Pou - que traz de volta ao poder um partido que não governava desde o mandato do seu pai, Luis Alberto Lacalle (1990-1995) - deverá manter a unidade da coalizão que o catapultou à presidência, uma aliança formada com propósitos eleitorais e que muitos acreditam ser frágil.

Um dos sus principais aliados é Cabildo Abierto, um partido de direita radical liderado pelo ex-comandante do Exército Nacional, Guido Manini Rios, que surgiu no mapa político uruguaio apenas em 2019 e obteve 11% dos votos.

Esse partido ultraconservador, às vezes com um discurso muito diferente dos demais aliados, é o fator mais "imprevisível" de uma coalizão cujo futuro é incerto, segundo o especialista em política Daniel Chasquetti, da Universidade da República.

Os três outros aliados são o Partido Colorado (PC, liberal), o Partido da Gente (PG, direita) e o Partido Independente (PI, social-democrata), ainda que esses dois últimos representem apenas 2% do eleitorado.

"Todo o sistema político vai ter que ser testado porque tivemos 15 anos com um partido majoritário muito forte", acrescenta o analista político, em referência aos três governos de esquerda com maioria parlamentar.

- Revés político -

Enquanto vários países na região experimentaram a queda dos seus governos progressistas e em outros enormes manifestações exigindo mudanças, no Uruguai os governos da FA, sob poder de Tabaré Vázquez (2005-2010, 2015-2020) e José Mujica (2010-2015) permaneceram como um reduto de estabilidade.

Entre as ações mais comentadas desses governos estão a legalização da maconha, o direito ao aborto, a permissão para o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o combate ao uso do tabaco.

Nesses governos também houve melhorias nos salários e aposentadorias, ampliou-se o acesso ao sistema de saúde, redução nos indicadores de pobreza, além de aproveitarem os períodos de recorde no crescimento do PIB, abrindo as portas para o consumo às classes mais desfavorecidas.

Esses feitos foram ofuscados nos últimos cinco anos pelo estancamento da economia, um aumento do déficit fiscal (4,9% em 2019, o mais alto em 30 anos) e o aumento do desemprego.

Somado aos desgastes apresentados, outro fator de peso para a derrota dos governos de esquerda foi o aumento da insegurança. Os homicídios cresceram 46% em cinco anos, passando de 268 em 2014 a 391 em 2019.

Para Chasquetti, a insegurança é essencial para explicar o fracasso da FA e será, junto com a economia, um dos temas mais analisados no novo governo.

Para a cerimônia de posse, confirmaram presença o rei Felipe VI da Espanha e os presidentes do Brasil, Colômbia, Paraguai e Chile.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.