Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O general Augusto Pinochet em Santiago, no dia 2 de novembro de 1997

(afp_tickers)

Onze ex-militares chilenos e uruguaios dos 14 condenados na terça-feira pelo crime do químico Eugenio Berríos, ex-agente da ditadura de Augusto Pinochet, foram presos nesta sexa-feira para cumprir suas condenações de entre 5 a 20 anos.

Os ex-militares - entre eles os uruguaios Tomás Casella, Eduardo Radaelli e Wellington Sarli - começaram a chegar de madrugada à prisão de Punta Peuco, nos arredores de Santiago, um penitenciária especial para oficiais violadores dos direitos humanos, confirmou a polícia penitenciária.

Dois ex-militares - Arturo Silva e Jaime Torres - não se apresentaram à intimação judicial e são buscados intensamente pela polícia civil, confirmou à AFP uma fonte policial.

Um dos condenados - o ex-general do Exército chileno Hernán Ramírez - se suicidou na quinta-feira antes de começar a cumprir sua pena de 20 anos.

Em uma decisão dividida, a Suprema Corte de Justiça confirmou na terça-feira as sentenças definitivas para os ex-militares, acusados do sequestro e do assassinato do químico e agente da temida polícia secreta de Pinochet, a Direção de Inteligência Nacional (DINA), à qual é atribuída a maioria das mais de 3.200 mortes e desaparecimentos deixados pelo regime (1973-1990).

Berríos é acusado de ser o responsável pela fabricação dos chamados gases sarin, soman e tabun no Chile, para serem usados em conflitos com países vizinhos e contra opositores do regime.

Após a queda de Pinochet e quando as investigações judiciais foram inciadas para esclarecer vários crimes da ditadura chilena, Berríos fugiu para o Uruguai em outubro de 1991. Quatro anos depois, seu corpo apareceu baleado na praia do balneário de El Pinar, no sul deste país, nos arredores de Montevidéu.

Confabulados com a ditadura chilena para apagar os rastros de seus crimes, militares uruguaios ajudaram a assassinar Berríos, no que pode ter sido a última missão da "Operação Condor", um plano acordado na década de 70 e que uniu as ditaduras militares do Cone Sul para coordenar o extermínio de opositores.

AFP