Navigation

Várias regiões da Venezuela sem luz após explosão em estação elétrica

Vista de uma dusina pertencente ao complexo petroquímico El Tablazo, em 9 de julho de 2005, 500 km a noroeste de Caracas afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 16. outubro 2018 - 14:19
(AFP)

Uma explosão em uma estação elétrica no norte da Venezuela provocou a interrupção do serviço, mantendo boa parte do país petroleiro sem luz por mais de 22 horas.

Dos 23 estados do país, uns 15 ficaram sem eletricidade ao final da tarde de segunda e nesta terça-feira várias regiões prosseguiam sem luz, segundo relatos de usuários à AFP e no Twitter.

"Desde ontem no fim da tarde estamos sem luz. Os pontos de venda (datafones) não servem, a internet não funciona", disse à AFP Alexander Santander, comerciante da cidade de San Cristóbal, no estado de Táchira (oeste).

À 01H45 local (02H45 de Brasília) desta terça-feira, o ministro da Energia Elétrica, Luis Motta Domínguez, informou que prosseguiam os trabalhos para o restabelecimento dos serviços nos estados afetados.

"Motivado por uma explosão e posterior incêndio na subestação La Arenosa (estado de Carabobo), temos uma forte interrupção do serviço elétrico em vários estados", havia explicado o ministro antes em um vídeo difundido pelas redes sociais.

Os estados de Aragua, Carabobo, Miranda, Lara, Yaracuy, Portuguesa, Cojedes, Barinas, Anzoátegui, Táchira, Mérida, Trujillo, Nueva Esparta, Falcón e Zulia ficaram às escuras na segunda-feira, reportaram usuários do Twitter.

Em várias regiões, como na petroleira Zulia (noroeste) e no estado de Cojedes (oeste), o serviço foi retomado nas primeiras horas de terça-feira, mas voltou a falhar, registrando-se apagões intermitentes.

A subestação La Arenosa é uma das sete que recebe energia elétrica de Guri (estado Bolívar), um complexo hidrelétrico que aporta cerca de 75% da energia consumida no país.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.