Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivos) Agricultor mostra grão de soja, no Paraná, próximo à fronteira entre Argentina e Brasil, no dia 15 de dezembro de 2011

(afp_tickers)

O trigo e o milho subiram na semana fechada nesta sexta-feira (19), na Bolsa de Chicago, mas a soja teve uma queda pela desvalorização da moeda brasileira.

"A soja baixou muito, e isso está relacionado com a forte queda da moeda do Brasil no mercado de câmbio", disse Bill Nelson, da Doane Advisory.

Mesmo que a moeda estivesse se recuperando um pouco hoje, na quinta-feira (18), o real caiu mais de 6%, após as acusações de corrupção contra o presidente Michel Temer.

O Brasil é o grande competidor dos Estados Unidos no mercado mundial de soja. Com a desvalorização de sua moeda, exportar em dólares é um grande negócio para os produtores brasileiros.

"Eles se esforçarão para vender sua colheita e fazer frente à competição com os Estados Unidos, e isso vai se refletir nos preços", disse Nelson.

Para o milho, o avanço continua normal nos Estados Unidos, e o enfraquecimento do dólar diante de outras moedas torna a produção americana mais competitiva.

Esta semana, o dólar perdeu quase 2% em um painel de seis divisas. Essa baixa respondeu às idas e vindas dos problemas políticos do presidente americano, Donald Trump.

O trigo americano de inverno teve como apoio o temor de que fortes chuvas castigassem as plantações nas próximas semanas.

A chuva excessiva pode baixar os rendimentos, declarou Nelson.

O bushel de milho (cerca de 25 quilos) para entrega em julho subiu a US$ 3,7250, contra US$ 3,7100 de sexta-feira passada (+0,40%).

O bushel de trigo para julho aumentou para US$ 4,3525, em relação aos US$ 4,3275 de uma semana atrás (+0,58%).

O bushel de soja para julho baixou para US$ 9,5300 contra US$ 9,6300 de sexta-feira passada (-1,04%).

AFP