Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bombeiros tentam conter incêndio nos tanques de armazenamento de petróleo, no Centro de Refino de Paraguaná, no dia 28 de agosto de 2012, na Venezuela

(afp_tickers)

Um vazamento de petróleo na principal refinaria da Venezuela afetou uma baía adjacente a esse complexo, localizado no estado de Falcón (noroeste), informou a petroleira estatal PDVSA.

"Em decorrência das chuvas constantemente registradas na parte ocidental do país, especificamente nos estados de Zulia e Falcón, houve um transbordamento da refinaria Amuay, pertencente ao Centro de Refino Paraguaná", segundo comunicado da PDVSA divulgado na noite da terça-feira (31).

De acordo com a companhia, o derramamento "gerou uma mancha de petróleo na costa da baía de Amuay", ainda que não tenha especificado a sua magnitude.

A empresa anunciou que o Centro de Refino Paraguaná ativou um plano de contingência para recolhimento do petróleo utilizando "material absorvente e caminhões de sucção". Além disso, barreiras serão colocadas para que um novo transbordamento não aconteça na área.

Há um ano, segundo PDSVA, um derramamento de petróleo no leste do país afetou vários afluentes.

A estatal confirmou então um vazamento em um oleoduto que se conecta com um complexo industrial do estado de Anzoátegui (leste), provocando o derramamento de petróleo em fontes hídricas.

Um incêndio, que segundo a petroleira não causou danos, foi registrado no último 22 de março no Centro de Refinação Paraguaná.

No dia 25 de agosto de 2012, uma explosão no perímetro de Amuay deixou ao menos 42 mortos, cerca de 80 feridos e cinco desaparecidos.

Líderes sindicais e da oposição atribuem esses incidentes a deterioração da infraestrutura por falta de manutenção e investimentos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP