Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Bandeira venezuelana em protesto na capital Caracas, no dia 18 de maio de 2016

(afp_tickers)

O influente jornal The New York Times publicou um editorial sobre a Venezuela, em que tacha o país sul-americano de "autoritário Estado pária", imerso em uma crise que o transforma em uma "urgente bomba-relógio".

Com o título, "Iminente choque na Venezuela", o jornal nova-iorquino afirmou que o país petroleiro "deve ser chamado pelo o que é: um Estado pária corrupto e autoritário que se transformou na mais urgente bomba-relógio do hemisfério".

O New York Times concentrou o editorial no anúncio na semana passada das autoridades eleitorais, que deram sinais de que o referendo revocatório contra o presidente Nicolás Maduro não será realizado neste ano, como exige a oposição.

"Dificilmente foi uma surpresa, mas coloca a Venezuela em uma perigosa -e evitável- rota de colisão", disse o jornal.

Se Maduro for afastado antes de 10 de janeiro de 2017, novas eleições devem ser convocadas, mas se for depois disso, o vice-presidente completará os dois anos restantes de mandato.

O jornal também ressaltou a severa situação econômica, criticando Maduro por não reconhecer a "necessidade de uma mudança drástica" e "continuar culpando a destruição do país por uma conspiração entre os Estados Unidos e a oposição.

"Evitar um confronto entre o governo venezuelano e aqueles que tentam tirar Maduro, que pode tornar-se violento, precisará de apoio internacional aos cidadãos comuns, que lutam para derrubar um líder despótico", acrescentou o jornal americano, que lembra que até agora os líderes da região só ofereceram "lugares comuns, pedindo o diálogo e o respeito aos direitos humanos".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP