AFP

Opositor venezuelano durante protesto em Caracas em 22 de abril de 2017

(afp_tickers)

A onda de protestos na Venezuela contra o presidente Nicolás Maduro provocou a prisão de 14 jornalistas, e outros 106 foram agredidos ao longo das últimas quatro semanas, denunciou nesta terça-feira o principal sindicato do setor.

"Trata-se de um número alarmante e que dista muito das garantias que um Estado democrático deve prover para o exercício dos direitos de informar e saber", assinalou o Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa (SNTP).

A organização destacou que a metade das detenções de jornalistas foi realizada por membros da Guarda Nacional que, "longe de facilitar as condições de exercício profissional, provocam, agridem, intimidam e impossibilitam qualquer tentativa de se dar uma cobertura oportuna das manifestações".

Funcionários do governo acusam os meios de comunicação de "enaltecer" os focos violentos dos protestos contra Maduro - que já deixaram 26 mortos e centenas de feridos e detidos - para apresentar ao mundo uma imagem distorcida da Venezuela.

AFP

 AFP