Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um membro da oposição venezuelana leva a bandeira da Venezuela durante uma manifestação, em Caracas, no dia 27 de julho de 2016

(afp_tickers)

Oito em cada dez venezuelanos estão de acordo com um diálogo entre o governo e a oposição, e mais da metade opinam que a prioridade deve ser resolver os problemas econômicos, segundo uma pesquisa divulgada neste domingo.

No total, 82% dos entrevistados pela empresa Hinterlaces disseram estar de acordo com a possibilidade de que o governo do presidente Nicolás Maduro e a plataforma opositora Mesa de la Unidad Democrática (MUD) iniciem negociações, enquanto 17% desaprovam esta ação.

Na pesquisa, realizada de 18 a 26 de julho, 56% consideraram que "a prioridade de um eventual diálogo (...) deve ser resolver os problemas econômicos do país", informou a Hinterlaces em um comunicado.

Os venezuelanos sofrem com a escassez de 80% dos alimentos e remédios, segundo estimativas privadas, e o FMI prevê que a inflação alcançará 720% neste ano.

Neste contexto, 63% consideram que o diálogo será efetivo para resolver as dificuldades econômicas, enquanto 36% descartam.

No entanto, um eventual diálogo entre o governo e os empresários seria "efetivo" ou "muito efetivo" para resolver a conjuntura econômica, segundo 75% dos entrevistados, enquanto 78% acreditam que é mais importante uma aproximação com o setor privado que com os líderes opositores.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP