Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Venezuelanos formam longas filas para entrar em supermercado em Valencia, 180 km ao oeste de Caracas, em 11 de agosto de 2015

(afp_tickers)

O governo venezuelano lançou neste domingo um plano de distribuição de alimentos porta a porta através de um "cartão de abastecimento" que será entregue aos beneficiários de programas sociais, como parte de uma estratégia para mitigar a severa crise de escassez que o país enfrenta.

"Com este impulso dos Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP), começa o sistema popular de distribuição de alimentos casa por casa", disse o presidente Nicolás Maduro em uma transmissão da TV governamental no estado de Vargas (norte).

O governo distribuirá bolsas de alimentos aos beneficiários de seus programas sociais por meio de um "cartão de abastecimento certo (...) para que todo o mundo esteja recenseado e assegurado", explicou o presidente.

Ele afirmou, ainda, que o cartão busca garantir a entrega de um "subsídio direto ao lar que dele necessita" e evitar a revenda de produtos subvencionados pelo Estado com sobrepreço, uma prática conhecida na Venezuela como "bachaqueo".

A iniciativa se soma a uma série de medidas tomadas pelo presidente venezuelano para combater o desabastecimento de mais de dois terços dos produtos básicos.

No final de fevereiro, Maduro anunciou a criação de uma empresa produtora de alimentos administrada pelos militares e pôs em andamento um programa de agricultura urbana.

O governo atribui o desabastecimento a uma "guerra econômica" desferida por empresários para desestabilizá-lo.

Em contraste, os produtores se queixam que não recebem divisas do Executivo para adquirir matérias-primas e produzir no país, razão pela qual têm uma dívida de 12 bilhões de dólares junto a fornecedores internacionais.

A Venezuela atravessa uma séria crise, agravada pela queda dos preços do petróleo - que responde por 96% das divisas do país - e que se traduziu em uma carestia que afeta mais de dois terços dos produtos básicos, com uma inflação de 180,9% em 2015.

AFP