Navigation

Venezuela ataca Grupo de Lima após proposta do Peru de romper relações diplomáticas

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, antes de discursar na 39a sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra em 11 de setembro de 2018 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 08. dezembro 2018 - 16:49
(AFP)

A Venezuela atacou o Grupo Lima neste sábado, após a proposta do Peru de romper relações diplomáticas com o país petroleiro, com uma mensagem do ministro das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, acusando a aliança de violar os direitos humanos.

"Cartel (grupo) de Lima: alguns governos ligados ao narcotráfico/paramilitarismo, outros tão corruptos que seus presidentes são presos, muitos presidentes investigados hoje, alguns violam os direitos dos povos indígenas e os direitos humanos, outros dedicados ao neoliberalismo com devoção", escreveu Arreaza em Twitter, imitando uma definição de dicionário.

O chanceler peruano, Néstor Popolizio, anunciou na sexta-feira que pretende, na próxima reunião do Grupo Lima, em 19 de dezembro, em Bogotá, romper relações com a Venezuela e proibir a entrada de todos os membros do governo de Maduro em países do grupo.

"Como desconhecemos as eleições (venezuelanas) de maio passado, a consequência natural é propor como uma das ações a ruptura das relações diplomáticas com a Venezuela", disse Popolizio.

O Grupo de Lima foi criado por iniciativa do Peru em agosto de 2017 e integrado também por Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Guiana e Santa Lucía.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.