Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O ministro venezuelano de Petróleo, Eulogio del Pino, em Viena, no dia 30 de novembro de 2016

(afp_tickers)

O governo venezuelano denunciou nesta quarta-feira que a escassez de gasolina na turística ilha de Margarita (nordeste) se deve às sanções financeiras de Washington.

Um navio de carga que levava o combustível para a ilha permanece atracado porque os Estados Unidos atrasaram o pagamento da importação, mas a previsão é de que nesta quarta-feira comece a descarga, disse a jornalistas o ministro do Petróleo, Eulogio del Pino.

O ministro disse que devido a "essas sanções do governo" americano, os pagamentos são feitos em dinheiro três ou quatro dias depois "porque as agências de fiscalização norte-americanas checam a procedência".

Del Pino se refere ao decreto do presidente Donald Trump, que proibiu em 25 de agosto negociar a nova dívida emitida pelo governo venezuelano e a petrolífera estatal PDVSA.

As sanções de Trump, entretanto, não abarcam medidas sobre as exportações e importações de petróleo.

Devido ao incidente em Margarita, o governo informou que um buque da PDVSA abastecerá a ilha, informou o ministro, que acrescentou que a situação será normalizada em breve.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP