Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro

(afp_tickers)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou nesta segunda-feira o envio de delegados do governo para um novo encontro com representantes da oposição na República Dominicana, visando a estabelecer as bases de um possível diálogo.

"Bem-vindos às conversações (...) em Santo Domingo. Ali estará a delegação da Venezuela, sem falta, disciplinada, pontualmente, e disposta a prosseguir com os diálogos", disse Maduro durante encontro com governadores transmitido pela estatal VTV.

A coalizão opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) não confirmou se enviará representantes ao encontro.

As duas partes iniciaram contatos em Santo Domingo no dia 13 de setembro, sob os auspícios do presidente dominicano, Danilo Medina, para tentar fixar uma agenda de negociações que resolva a grave crise política e econômica na Venezuela.

Maduro agradeceu "os esforços" de Medina e defendeu "a construção de uma agenda nacional de entendimentos, de acordos, entre (o governo da) Venezuela e a oposição".

Segundo o presidente do Parlamento, Julio Borges, a mesa de diálogo "não começou" formalmente e não começará até que se estabeleçam "condições" claras.

Para negociar, a MUD exige a realização de eleições presidenciais em 2018, como determina a lei, o estabelecimento de um "canal humanitário" para a entrada de alimentos e remédios, e a libertação de quase 600 opositores presos.

Governo e oposição empreenderam um diálogo no final de 2016, sob os auspícios do Vaticano e de um grupo de ex-presidentes, que fracassou em meio a acusações mútuas.

Na primeira rodada dos atuais contatos, celebrada em 13 e 14 de setembro, as partes designaram México, Chile, Paraguai, Nicarágua e Bolívia como avalistas do processo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP