Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A ministra venezuelana das Relações Exteriores, Delcy Rodríguez, em Caracas, em 29 de março de 2017

(afp_tickers)

A Venezuela iniciará o processo de saída da OEA caso a instituição realize uma nova reunião de ministros das Relações Exteriores para avaliar a crise no país, advertiu nesta terça-feira a chanceler Delcy Rodríguez.

"Se ocorrer alguma reunião de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA) sem o aval e o consentimento do governo da Venezuela, tenho a instrução (do presidente Nicolás Maduro) de iniciar o procedimento de saída da Venezuela", disse Rodríguez ao canal estatal VTV.

A OEA avaliará a possibilidade de convocar uma reunião de chanceleres sobre a crise na Venezuela durante uma sessão extraordinária de seu Conselho Permanente nesta quarta-feira.

A sessão, a quinta na OEA sobre a Venezuela em um mês, foi solicitada por 16 de seus 34 membros que, "considerando a crescente preocupação" continental sobre esse país, buscam elevar o debate a nível ministerial.

"Não vamos seguir permitindo violações à legalidade, violações à institucionalidade e arbitrariedades", disse Rodríguez, que acusa o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, de promover "um plano de intervenção e tutela" com o apoio dos Estados Unidos.

A petição foi apresentada por Argentina, Argentina, Barbados, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Estados Unidos, Honduras, Jamaica, Guatemala, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai, que lhe atribuem "caráter urgente e de interesse comum".

A grande maioria desses países apoiou em 3 de abril uma resolução do Conselho Permanente que declarou uma "grave alteração inconstitucional" na Venezuela, baseados na Carta Democrática Interamericana, um documento da OEA de vigilância da democracia no continente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP