Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Opositores protestam contra o presidente Nicolás Maduro, em Caracas, em 15 de abril de 2017

(afp_tickers)

Onze países latino-americanos pediram à Venezuela, nesta segunda-feira (17), que "garanta" o direito à manifestação pacífica, a dois dias de uma grande marcha contra o governo de Nicolás Maduro.

O grupo também lamentou as mortes nos protestos.

"Levando-se em consideração que, para quarta-feira, 19 de abril, anuncia-se uma jornada de marchas por parte do governo e da oposição, fazemos um apelo ao Governo da República Bolivariana da Venezuela para que garanta o direito à manifestação pacífica", disseram Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Paraguai, Peru e Uruguai, em um comunicado conjunto divulgado por Bogotá.

No documento, os países "reafirmam sua rejeição à violência" e manifestam seu "profundo pesar e repúdio à morte de seis cidadãos durante os protestos" ocorridos na Venezuela nos últimos dias.

Nesta quarta-feira, quando se comemora o primeiro grito de independência venezuelano, os detratores de Maduro organizam uma grande manifestação para exigir eleições e respeito à autonomia do Parlamento, controlado pela oposição.

Os onze países signatários pediram que se impeça "qualquer ação de violência contra os manifestantes" e exortaram a oposição a exercer "com responsabilidade seu direito de protestar".

O grupo também pede ao governo que "defina rapidamente as datas para o cumprimento de um cronograma eleitoral que permita uma rápida solução para a grave crise que enfrenta a Venezuela e preocupa toda a região".

Para a oposição venezuelana, a saída do chavismo do poder é a única forma de resolver a grave crise política e econômica do país, mas Maduro descarta antecipar as eleições presidenciais, previstas para dezembro de 2018.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP