Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Próximos vencimentos da dívida venezuelana.

(afp_tickers)

O governo da Venezuela anunciou que, nesta terça-feira (14), iniciou o pagamentos dos juros de sua dívida soberana e, na semana passada, os da petroleira PDVSA, apesar de as agências classificadores terem declarado uma moratória parcial por atrasos no vencimento.

"Hoje começamos o pagamento dos juros da dívida externa da Venezuela, na semana passada a PDVSA pagou os juros da dívida", declarou o ministro de Comunicação, Jorge Rodríguez, à emissora estatal VTV.

Rodríguez não indicou quais são os títulos, mas as datas coincidem com a expiração de 81 milhões de dólares de juros do bônus PDVSA 2027 na última sexta-feira e de 200 milhões de juros sobre a dívida soberana que teve que pagar nesta segunda.

"Estamos refinanciando a dívida externa. Somos bons pagadores, apesar do que dizem as classificadoras de risco, o Departamento de Tesouro, a União Europeia e Donald Trump. Eles não se importam, pagaremos em comum acordo com os donos dos títulos", garantiu.

O ministro reforçou que a reunião nesta segunda-feira entre governo e credores foi bem sucedida, apesar de as classificadores de risco terem rebaixado a nota da dívida venezuelana desde a semana passado. O governo não apresentou uma proposta concreta na reunião.

"Começamos de maneira franca, clara e correta o refinanciamento de nossa dívida externa", garantiu Rodríguez.

A Standard & Poors declarou à meia-noite de terça-feira a moratória "seletiva" da Venezuela pelo não pagamento dos 200 milhões de dólares.

Enquanto isso, a Fitch colocou a PDVSA em "default restrito" por seus títulos com vencimentos em 2 de novembro e 27 de outubro, de 1.169 milhões (principal e juros) e 842 milhões (capital), ambos recebidos com até uma semana de atraso.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP