Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

As ministras das Relações Exteriores de Venezuela, Delcy Rodríguez (E), e Colômbia, María Angela Holguín, em Caracas, no dia 23 de setembro de 2015

(afp_tickers)

A primeira reunião ministerial para normalizar as relações entre Colômbia e Venezuela, celebrada em Caracas, nesta quarta-feira, terminou sem anúncios sobre os temas discutidos, constatou um jornalista da AFP.

Ao final de mais de quatro horas de reunião na sede da chancelaria venezuelana, os delegados se retiraram sem dar declarações.

As comitivas foram lideradas pelas ministras das Relações Exteriores de Venezuela, Delcy Rodríguez, e Colômbia, María Angela Holguín, que se cumprimentaram friamente diante das câmeras.

O encontro, iniciado após o meio-dia, reuniu vários ministros e autoridades dos dois países, como ficou acertado na segunda-feira passada entre os presidentes de Colômbia, Juan Manuel Santos, e Venezuela, Nicolás Maduro.

No início da semana, Santos e Maduro concordaram em restabelecer o diálogo diplomático e a "normalização progressiva" da fronteira, ao término do encontro realizado em Quito.

O acordo prevê que os dois países façam uma "investigação da situação da fronteira" de 2.219 km, após o fechamento parcial ordenado por Caracas. O gatilho da crise foi um ataque a uma patrulha venezuelana que deixou três feridos.

Maduro culpou paramilitares colombianos envolvidos no narcotráfico pela ação e empreendeu uma cruzada para sanear a fronteira do milionário contrabando de mercadorias, principalmente de gasolina, e que é estimulado pelas enormes diferenças de preços entre os países.

Desde então, foram deportados 1.532 colombianos, e 18.377 voltaram para seu país de origem por medo de serem expulsos, segundo números da ONU.

AFP