Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(5 ago) Bandeira do Mercosul é hasteada em frente à Chancelaria da Venezuela, em Caracas

(afp_tickers)

A Venezuela negou nesta segunda-feira que esteja à margem das normas internas do Mercosul, como alegam Brasil, Paraguai e Argentina para rejeitar que Caracas assuma a presidência rotativa do bloco.

A chancelaria venezuelana assinalou em um comunicado que "rejeita categoricamente as manobras e falsidades antijurídicas (...) que pretendem vender a infame ideia sobre o descumprimento por parte da Venezuela dos compromissos assumidos no Protocolo de Adesão do Mercosul".

Brasil, Paraguai e Argentina rejeitam que a Venezuela assuma a presidência do Bloco devido à crise política que abala o país caribenho; e Caracas "denuncia a persistência destes governos em violar os tratados constitutivos do Mercosul".

Apesar da oposição dos sócios regionais, Caracas içou a bandeira do Mercosul na capital venezuelana na semana passada para simbolizar o início de seu período na presidência temporária do Bloco.

Há três semanas, o Uruguai concluiu seu período de seis meses à frente do Bloco, e defendeu a entrega da presidência à Venezuela, seguindo o critério de ordem alfabética.

O presidente uruguaio, Tabaré Vázquez, advertiu que a Venezuela integrará o Bloco até que se aplique a cláusula democrática.

O Mercosul tem uma norma que prevê a possibilidade de suspender qualquer de seus sócios se os demais considerarem que houve quebra institucional que afeta a democracia.

A aplicação desta cláusula não foi discutida oficialmente para o caso venezuelano, apesar de o Paraguai ter solicitado, através de seu chanceler, Eladio Loizaga, "que (a Venezuela) liberte seus presos políticos e faça gestos que a comprometam com a democracia".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP