Navigation

Venezuela reforça bloqueio em ponte na fronteira com a Colômbia

(11 fev) Agente patrulha a ponte internacional Tienditas, na fronteira com a Colômbia afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 14. fevereiro 2019 - 14:03
(AFP)

Militares venezuelanos reforçaram nesta quinta-feira o bloqueio em uma ponte na fronteira com a Colômbia, em meio à disputa entre o governo de Nicolás Maduro e o opositor Juan Guaidó pela entrada de ajuda humanitária no país.

Novos contêineres de carga foram posicionados nesta quinta-feira na barreira da ponte de Tienditas, que liga Cúcuta (Colômbia) a Ureña (Venezuela). Agentes armados da Guarda Nacional protegiam a ponte.

Na semana passada, o local foi bloqueado com um caminhão-tanque e dois contêineres. A ajuda humanitária foi enviada pelos Estados Unidos a Cúcuta a pedido de Guaidó, presidente do Parlamento e reconhecido por vários países como presidente interino do país.

Na terça-feira, o líder opositor estabeleceu 23 de fevereiro como data limite para a entrada da ajuda. Ao mesmo tempo, o chavismo ratificou a recusa a aceitar o auxílio.

Maduro rejeita a ajuda por considerá-la um "pretexto" para uma intervenção militar liderada por Washington.

A oposição pediu aos militares, a grande base de apoio de Maduro, que permitam a entrada de ajuda humanitária.

A ponte de Tienditas ainda não foi oficialmente inaugurada. A previsão era 2016, mas o fechamento temporário da fronteira comum de 2.200 km - ordenado pelo governo de Maduro no fim de 2015 e suspenso meses depois - adiou a abertura.

O presidente Donald Trump disse na quarta-feira que o presidente venezuelano "comete um erro terrível" ao bloquear a ajuda humanitária dos Estados Unidos para seu país.

Trump disse que é "triste" que o país latino-americano, rico em petróleo, esteja vivendo uma crise e que Washington ainda não descartou o envio de tropas para a região.

Guaidó se autoproclamou presidente depois que Maduro foi declarado "usurpador" pelo Legislativo, único poder controlado pela oposição na Venezuela, alegando que o governante socialista foi reeleito por meio de fraude.

O confronto entre governo e oposição deixa ainda mais crítica a situação no país, e leva a população a abandonar a Venezuela.

Cerca de 22.000 venezuelanos pediram proteção internacional em 2018 na União Europeia (UE), quase o dobro do ano anterior, segundo o Gabinete Europeu de Apoio ao Asilo (EASO), que também registra um forte aumento entre sírios (em primeiro lugar) e colombianos.

O texto destaca, pelo segundo ano, o caso dos venezuelanos, cujas solicitações aumentaram 88% em 2018, após um aumento de 155% no ano anterior.

Antes de 2014, os cidadãos da Venezuela apresentavam cerca de 100 solicitações por ano.

Até o final de 2018, o número de venezuelanos à espera de uma resposta para seu pedido de asilo é agora em torno de 30.900, segundo o relatório.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.