Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, fala durante conferência em Caracas, no dia 5 de agosto de 2016

(afp_tickers)

A Venezuela rejeitou como uma "intromissão inaceitável" a declaração dos Estados Unidos, que manifestaram sua preocupação com o anúncio do Conselho Nacional Eleitoral de que o referendo contra o presidente Nicolás Maduro não vai acontecer em 2016.

"A Venezuela rejeita energicamente (as) declarações (...) que constituem uma intromissão inaceitável", afirmou a chanceler venezuelana, Delcy Rodríguez, no Twitter, ao se referir ao pronunciamento do porta-voz do Departamento de Estado americano, John Kirby.

A ministra, que está em Nova York representando Maduro na Assembleia Geral da ONU, exigiu do governo americano "respeito e apego absoluto" ao Direito Internacional.

Rodríguez reiterou a Washington que os poderes públicos na Venezuela são autônomos, independentes e soberanos, pois "não respondem a pretensões nem a ordens imperiais".

Ela declarou ainda que "um mal exemplo de democracia e processos eleitorais viciados é o sistema que os Estados Unidos têm".

"É um sistema onde governam os lobbies econômicos e financeiros sem atender às necessidades do povo americano", insistiu.

Na quinta-feira (23), Kirby disse que os anúncios do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), as "restrições" à imprensa e ações contra o Parlamento "privam os cidadãos venezuelanos da oportunidade de planejar o futuro de seu país".

O assessor pediu ainda ao governo Maduro que "se comprometa com um diálogo sério, tanto com a oposição quanto com os venezuelanos de todo o espectro político".

Na quarta-feira (21), o CNE anunciou que o referendo poderá acontecer "em meados do primeiro trimestre de 2017", o que impossibilita a realização de novas eleições.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP