Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Sede do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), em Caracas, no dia 2 de agosto de 2016

(afp_tickers)

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela rejeitou nesta sexta-feira a declaração do grupo de chanceleres latino-americanos, liderados pelo ministro José Serra, que questionou o papel do organismo no trâmite para o referendo revogatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

Em um comunicado, o CNE qualificou de "falsa" a afirmação dos chanceleres de Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, México e Peru de que as condições estabelecidas inviabilizam a realização da consulta ainda este ano.

"Tal afirmação é falsa e ignora a legislação venezuelana".

Em um comunicado emitido na véspera, os seis chanceleres expressaram sua "preocupação" com a decisão do CNE de adotar uma série de medidas "que têm o efeito de adiar a realização do referendo revogatório para 2017, afetando assim o sentido da consulta".

O grupo manifestou "apoio e sua disposição de contribuir para a realização de um diálogo entre o governo e os distintos atores políticos e sociais venezuelanos, que permita, através do entendimento mútuo, promover a estabilidade política, a recuperação econômica e o pleno respeito aos direitos humanos".

A carta é firmada por José Serra e por seus colegas de Argentina, Susana Malcorra; Chile, Heraldo Muñoz; Paraguai, Eladio Loizaga; México, Claudia Ruiz Massieu; e Peru, Ricardo Luna.

O CNE anunciou no dia 21 de setembro que a oposição poderá recolher as quatro milhões de assinaturas requeridas para chamar o referendo em 26, 27 e 28 de outubro.

Diante dos prazos, segundo o CNE, a consulta acontecerá entre fevereiro e março do ano que vem, o que garante ao chavismo permanecer no poder até a próxima eleição presidencial, prevista para 2018.

O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) anunciou no dia 21 de setembro que a oposição poderá recolher as quatro milhões de assinaturas requeridas para chamar o referendo em 26, 27 e 28 de outubro.

Diante dos prazos, segundo o CNE, a consulta acontecerá entre fevereiro e março do ano que vem, o que garante ao chavismo permanecer no poder até a próxima eleição presidencial, prevista para 2018.

A discussão ocorre em meio à crise política e a uma severa escassez de alimentos e remédios no país, onde a inflação galopante é calculada pelo FMI em 720% para este ano.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP