Navigation

Venezuela tem panelaços e protestos espontâneos após novo apagão

Los empleados de un restaurante juegan a beisbol en la calle durante un apagón en Caracas, el 31 de marzo de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 31. março 2019 - 20:55
(AFP)

O som de panelas irrompeu neste domingo em várias zonas de Caracas, em protesto contra os consecutivos apagões na Venezuela desde 7 de março, levando milhões de venezuelanos à angústia e ao desespero.

"Novamente um apagão nacional está afetando nossa qualidade de vida, não temos água, não temos luz, não temos internet, não temos telefones, estamos incomunicados, chegamos à pior situação que podíamos imaginar", disse à AFP Joaquín Rodríguez, advogado de 54 anos, que participou de um protesto em Los Palos Grandes, zona abastada de Caracas.

Em alguns setores da capital os protestos foram reprimidos por coletivos, como são conhecidos os civis armados chavistas que foram autorizados pelo presidente Nicolás Maduro a conter as manifestações.

"Há forte repressão de coletivos encapuzados com armas disparando contra a população", afirmou um habitante de Cotiza, um setor popular de Caracas onde foram registradas manifestações espontâneas contra os apagões.

Mauricio Marcano, comerciante de 30 anos, também denunciou a presença de coletivos armados que reprimiam protestos no centro de Caracas, onde policiais bloquearam algumas ruas para contê-los.

Depois que um novo apagão afetou a capital e vários estados na noite de sábado, o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez, reiterou que se tratava de outra sabotagem.

O governo "denuncia a infame e brutal perpetração de dois ataques programados e sincronizados contra o sistema elétrico nacional para obstruir de forma criminosa e homicida os imensos esforços do governo (...) para estabilizar o serviço de energia elétrica", afirmou à televisão governamental.

"Que a comunidade internacional se dedique a nós, porque estamos morrendo, as pessoas estão morrendo nos hospitais, estão abandonando as crianças nas ruas porque não há alimentos, por favor, nos ajudem", afirmou a manifestante Dina de Ornella.

No sábado, o opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por cerca de 50 países, pediu aos seus apoiadores que saiam às ruas para protestar toda vez que houver falhas elétricas e de água, em grave escassez.

As interrupções elétricas completavam vários dias neste domingo em estados como Zulia, severamente afetado há uma década por racionamentos.

"Estamos há seis noites sem luz, estamos na era das cavernas", afirmou Chiquinquirá Bermúdez, habitante de Los Puertos de Altagracia, próximo à capital Maracaibo.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.