Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Entre 1.000 e 1.200 pessoas, incluindo grávidas e crianças, são recebidas diariamente na Casa de Paso Divina Providencia

(afp_tickers)

Em um espaço com chão de terra e cheiro de comida, centenas de venezuelanos fazem fila na cidade colombiana de Cúcuta, onde a Igreja Católica instalou um restaurante comunitário para atendê-los diante da escassez de alimentos na Venezuela.

Entre 1.000 e 1.200 pessoas, incluindo grávidas e crianças, são recebidas diariamente na Casa de Paso Divina Providencia, abrigo criado pela diocese da cidade fronteiriça com a Venezuela, disse à AFP o sacerdote José David Cañas.

"Há uma grande necessidade por parte dos irmãos venezuelanos de alimentos e remédios", explicou o pároco, que há dois meses inaugurou o local diante da chegada em massa de cidadãos desse país a Cúcuta.

Boa parte dos venezuelanos chegar a viajar quatro horas por uma refeição, explicou Cañas.

"É tanta fome e necessidade que dizem preferir viajar", afirmou o pároco, que explicou que a travessia fica mais fácil pelo baixo preço do combustível na Venezuela.

Mas outros chegam a Cúcuta, segunda cidade com maior nível de desemprego da Colômbia, em busca de um futuro.

"Me vi passando necessidade e no desespero de deixar a minha casa, vim procurar um futuro melhor", explicou Mariela Sánchez, de 33 anos, que almoça no local junto com seus quatro filhos.

Jacqueline Siguera e seus três filhos, por sua vez, sobrevivem vendendo bebidas. Jacqueline abandonou a sua cidade, Maturín, depois que sua mãe morreu pela falta de um remédio, que provocou um infarto fulminante.

"Algumas vezes fomos dormir sem comer", afirmou com a voz embargada.

A Casa de Paso Divina Providencia se mantém com voluntários de missões religiosas e doações de empresas privadas e de particulares, acrescentou o sacerdote.

Segundo as autoridades, na Colômbia há entre 300.000 e 350.000 venezuelanos, muitos deles de forma irregular.

AFP