Navigation

Viagens de avião de alto funcionário causam embaraço ao Greenpeace

Pascal Husting, funcionário do Greenpeace, é visto em 7 de julho de 2009, em Paris afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 24. junho 2014 - 20:25
(AFP)

A ONG Greenpeace administra uma situação embaraçosa, após a notícia de que um de seus altos funcionários viaja de avião duas vezes por mês entre sua casa, em Luxemburgo, e o trabalho, em Amsterdã, distantes 360 km, recorrendo a um meio de transporte altamente poluente.

"Ele não viajará mais de avião para Amsterdã e, a partir de agora, vai optar pelo trem", declarou à AFP o porta-voz do Greenpeace, Mike Townsley.

A organização ambientalista considera que a redução das emissões de CO2, principal gás causador do efeito estufa, passa pela diminuição do número de viagens de avião, especialmente em curtas distâncias.

O Greenpeace confirmou as viagens, reveladas em uma matéria publicada na edição de segunda-feira do jornal "The Guardian".

Depois de dirigir o Greenpeace na França, Pascal Husting, o funcionário envolvido na polêmica, tornou-se em 2011 o segundo da associação. A sede da ONG fica em Amsterdã, mas ele não se mudou para a cidade holandesa por motivos familiares.

Como o trem e o carro representavam uma perda de tempo para cobrir a distância entre as duas cidades, ele optou pelo avião: primeiro, com uma ida e uma volta por semana e, depois, com duas idas e duas voltas por mês.

"Era um compromisso difícil para Pascal, pois sua esposa estava grávida e tinha uma família", explicou Townsley. As despesas corriam por conta do Greenpeace.

"A princípio, era uma solução temporária, mas durou mais que o necessário", admitiu.

Ao jornal holandês "Algemeen Dagblad", Husting declarou que "já tinha mudado duas vezes em dois anos, e os filhos estariam confrontados com um novo idioma".

"Em cinco anos, nunca peguei um avião por razões particulares", justificou Pascal Husting, ressaltando que é consciente dos problemas ambientais provocados pelos aviões.

Trata-se de um novo golpe para o Greenpeace. Há uma semana, a organização informou que um de seus funcionários havia perdido 3,8 milhões de euros em doações no mercado das taxas de câmbio.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.