Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

A estilista Victoria Beckham durante o sorteio da fase de grupos da Liga dos Campeões, em Mônaco, em 30 de agosto de 2018

(afp_tickers)

Após 10 anos crescendo no mundo da moda em Nova York, Victoria Beckham apresentou pela primeira vez uma coleção na Semana de Moda de Londres, que, neste domingo (16), também foi palco para o frescor e a leveza da marca espanhola Delpozo.

Com mais de 400 pontos de venda em 50 países, ateliês em Londres e Nova York, e um valor de negócio de 40 milhões de euros, a empresa de moda VB percorreu um longo caminho desde o seu primeiro desfile, em 2008, em Nova York.

Do mercado americano, Victoria Beckham conseguiu superar o duplo rótulo de ex-cantora do grupo de pop britânico Spice Girls e de esposa do famoso jogador inglês David Bechkahm para se tornar uma bem-sucedida estilista.

Talvez por isso tenha aguardado cinco anos para voltar ao seu país e desfilar em Londres com todo o reconhecimento.

A apresentação deste domingo, fechada em grande parte aos fotógrafos da imprensa, aconteceu em uma galeria de arte contemporânea ao lado de sua loja em Mayfair, o bairro londrino do luxo e da moda.

Sem surpresa, na primeira fila estava toda a sua família: seu marido superestrela e seus quatro filhos: Brooklyn, Harper, Romeo e Cruz.

Para a temporada primavera-verão 2019, VB revisa o clássico chique que foi fundamental em seu sucesso, com linhas mais fluidas e elegantes, mas confirma também uma evolução iniciada há anos com cortes mais audaciosos e justaposição de materiais.

Victoria Beckham explora os contrastes acompanhando suas cores fetiche — preto, cinza e branco — com azuis e vermelhos-rubi, e mistura vestuários masculino e feminino, com calças largas com blusas de renda.

"Hoje é uma etapa importante: o nosso 10º aniversário e o meu primeiro desfile em Londres. Estou realmente feliz de poder celebrar esta temporada em casa", disse em um comunicado a estilista que apareceu visivelmente emocionada ao fim do desfile.

- Delpozo em todo o seu esplendor -

O outro grande desfile deste terceiro dia foi de Delpozo, empresa de moda espanhola criada em 1974 pelo estilista Jesús del Pozo e cuja direção criativa está desde 2012 a cargo do criador catalão Josep Font, após a morte do fundador em 2011.

Font também esteve cinco anos instalado na Semana de Moda de Nova York, passarela que foi fundamental para impulsionar Delpozo ao estrelato absoluto.

De Melania Trump a Michelle Obama, passando por estrelas de Hollywood como Cate Blanchett, Julianne Moore e Keira Knightley, a "crème de la créme" dos Estados Unidos mostra um estilo atemporal e sonhador do estilista espanhol pelos tapetes vermelhos ou pelos jardins da Casa Branca.

Em fevereiro, Delpozo surpreendeu mudando-se para a Semana de Moda de Londres, onde repetiu neste domingo com a sua coleção primavera-verão 2019.

Inspirada em uma flor - a glicínia - e nas obras com cristal de Murano criadas pelo italiano Fulvio Bianconi nos anos 1950, a coleção é fresca, etérea e ultrafeminina.

Tecidos leves, cortes com movimento e imprescindíveis estampas florais dão leveza aos vestidos aos vestidos listrados em georgette de seda, às saias e camisas assimétricas, aos casacos curtos e largos com ou sem estampados florais.

Para as coleções "estou me inspirando em artistas em geral, em sua música, na pintura, na arquitetura, na dança, em todas as artes", explicou Font à AFP antes do desfile.

Para Laura Luceño, professora do Centro Superior de Design de Moda da Universidade Politécnica de Madri (CSDMM), o estilo de Font "combina perfeitamente essa pureza de formas do DNA da marca, herança de Jesús del Pozo, com essas flores e esse universo muito mais onírico".

A empresa espanhola deu um sopro de ar fresco à Semana de Moda de Londres após o ataque de febre provocado pouco antes pela coleção do francês Roland Mouret, inspirada no filme erótico "Emmanuelle", de Just Jaeckin, que em 1974 escandalizou o mundo.

Para a próxima temporada, Mouret propõe saias tubinho abotoadas de cima a baixo, vestidos com ombros descobertos e calças largas de cintura alta com sugestivos detalhes em renda.

As suas são mulheres ativas, "que se movem, que vão em frente, que deixam seus rostos ao vento e que querem lutar, passar uma mensagem", explicou o estilista francês após o desfile.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP