Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais entram em confronto com manifestantes, em Caracas, no dia 18 de maio de 2016

(afp_tickers)

O ministro paraguaio das Relações Exteriores, Eladio Loizaga, manifestou, nesta quarta-feira, sua preocupação com a situação política e social na Venezuela, mas reiterou que o governo de Horacio Cartes não vai interferir nos assuntos internos de Caracas.

"Deixamos clara nossa postura de não intervenção [na Venezuela]. O que nós não queremos é que se chegue a uma situação extrema de violência. Não ajuda em nada. O único prejudicado é o povo", afirmou o ministro.

Loizaga desconversou, ao ser questionado sobre se os direitos humanos estão sendo violados na gestão de Nicolás Maduro.

"A situação da Venezuela preocupa todos nós. É um sócio nosso no Mercosul", lembrou.

O chanceler afirmou também que todos os países do Mercosul acompanham a situação do vizinho.

"Justamente, alguns países do Mercosul também lançaram seu apelo no sentido de diálogo o mais rápido possível entre todos os atores políticos", completou.

Um comunicado do Ministério paraguaio das Relações Exteriores pediu às partes - governo, membros da Assembleia Nacional (Parlamento) e demais atores políticos - que tomem consciência da situação "e se inspirem em princípios democráticos para uma convivência política pacífica e ordenada".

AFP