Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados israelenses dirigem tanque, na direção da fronteira com Gaza. Conflito deixou, em 25 dias, mais de 1.500 palestinos mortos, em sua maioria civis, assim como 63 soldados israelenses e três civis em Israel.

(afp_tickers)

A trégua de 72 horas entre Israel e o grupo Hamas na Faixa de Gaza durou poucas horas e se transformou em um novo banho de sangue, com mais de 60 palestinos mortos, enquanto dois soldados israelenses morreram em uma operação na qual outro teria sido sequestrado.

O governo israelense não tardou em acusar o movimento islamita palestino e seus aliados de violação flagrante do cessar-fogo de três dias estabelecido entre Israel e o Hamas e que teoricamente entrou em vigor às 08h00 da manhã local (23h00 de quinta-feira em Brasília).

O Hamas também atribuiu o rompimento da trégua ao Estado hebreu.

A barreira dos 1.600 palestinos mortos foi superada no 25º dia da guerra, indicou o porta-voz dos serviços de emergência, Ashraf al-Qodra. De acordo com a ONU, mais de 70% dos mortos são civis, incluindo um grande número de crianças. Sessenta e três soldados israelenses e três civis perderam a vida do lado israelense.

As chances de um pausa mais longa nas hostilidades parecem estar mais distantes do que nunca, após a provável captura do subtenente de 23 anos, Hadar Goldin, e a morte de cerca de 70 palestinos perto de Rafah, no sul de uma Faixa de Gaza devastada, de acordo com fontes dos serviços de emergência locais.

Dois soldados israelenses foram mortos em um confronto que levou ao sequestro do subtenente Goldin perto de Rafah, segundo o Exército israelense.

O governo dos Estados Unidos acusaram o Hamas de cometer uma barbárie ao violar o cessar-fogo.

O presidente americano, Barack Obama, pediu a libertação imediata e incondicional do soldado, considerando que um cessar-fogo será "muito difícil" de instaurar se o Hamas não respeitar "seus compromissos no âmbito de um cessar-fogo".

Obama também pediu que mais esforços sejam feitos para proteger os civis "presos na linha de fogo" em Gaza.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, exigiu a libertação imediata do soldado sequestrado e indicou que, se for confirmado, o ataque contra militares israelenses constitui uma "grave violação do cessar-fogo".

"A ONU não possui meios independentes para verificar exatamente o que aconteceu", lembrou Ban. Apesar disso, "esses atos colocam em questão a credibilidade das garantias que o Hamas deu à ONU", considerou.

O rei Abdullah da Arábia Saudita criticou o silêncio indesculpável do mundo diante dos crimes de guerra realizados por Israel em Gaza, em um discurso difundido pela agência oficial SPA.

"Vemos derramar o sangue de nossos irmãos da Palestina nas matanças coletivas que não poupam ninguém, e nos crimes de guerra contra a humanidade que acontecem à vista de toda a comunidade internacional, que permanece indiferente aos acontecimentos da região", afirmou.

Linha vermelha

Para Israel, o sequestro de um soldado representa uma linha vermelha. O rapto em junho de 2006 do soldado israelense Gilad Shalit desencadeou operações militares que duraram cinco meses na Faixa de Gaza. Shalit foi libertado em outubro de 2011 em troca de mil prisioneiros palestinos.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, acusou o Hamas e outros grupos de terem violado de forma flagrante o cessar-fogo.

Para o porta-voz do Hamas em Gaza, Fawzi Barhum, "a ocupação (Israel) violou o cessar-fogo. A Resistência palestina agiu em nome de seu direito a se defender (e) para colocar fim ao massacre de nosso povo".

Apesar do rompimento da trégua, o Egito indicou que vai manter as negociações previstas nesta sexta-feira no Cairo por um cessar-fogo duradouro.

População de Gaza desiludida

A trégua foi antecedida de duas horas de intensos bombardeios israelense e disparos de foguetes palestinos.

O conflito em Gaza desencadeia manifestações esporádicas de apoio nas grandes cidades da Cisjordânia ocupada, onde as forças israelenses mataram nesta sexta-feira um palestino perto de Nablus (norte).

A trégua havia sido estabelecida depois que o Conselho de Segurança das Nações Unidas pediu um "cessar-fogo imediato e sem condições".

Durante a reunião do Conselho, o chefe da Agência da ONU para a Ajuda aos Refugiados Palestinos (UNRWA), Pierre Krähenbühl, disse que a população da Faixa de Gaza está no limite.

Segundo Krähenbühl, que não conseguiu conter as lágrimas durante suas declarações, as condições de vida nos abrigos lotados da ONU, que reúnem cerca de 220 mil pessoas, "são cada vez mais precárias", gerando riscos de epidemias.

A diretora de Operações Humanitárias da ONU, Valerie Amos, lembrou "a obrigação absoluta" dos beligerantes de proteger ao máximo os civis e os trabalhadores humanitários. "A realidade em Gaza hoje é que nenhum lugar está seguro", lamentou, lembrando que 103 instalações da ONU haviam sido alvo de ataques desde o início do conflito.

O bombardeio, na quarta-feira, de uma escola da UNRWA no campo de refugiados de Jabaliya (norte da Faixa de Gaza), uma das 83 escolas da ONU usadas para abrigar os civis que fogem dos combates, foi energicamente condenado pelas Nações Unidas e por diversas capitais, incluindo Washington.

Apesar da pressão internacional, Netanyahu alertou na quinta que o Exército "vai terminar o trabalho" visando à destruição da capacidade militar do Hamas na Faixa de Gaza.

AFP