Navigation

Virgin Galactic anuncia bem sucedido voo de teste espacial

A nave SpaceShipTwo, da Virgin Galactic, junto à nave junto à nave WhiteKnightTwo, em Mojave, Califórnia, 19 de fevereiro de 2019 afp_tickers
Este conteúdo foi publicado em 22. fevereiro 2019 - 20:34
(AFP)

A nave da empresa de turismo espacial Virgin Galactic voltou a cruzar nesta sexta-feira (22) a fronteira do espaço, segundo a definição americana de 80 km de altitude, durante um voo de testes na Califórnia, anunciou a empresa do milionário britânico Richard Branson.

A SpaceShipTwo, comandada por dois pilotos, havia cruzado pela primeira vez, em dezembro, este limite arbitrário, quando Branson anunciou com pompa que aquela foi a primeira vez que foi superado desde o final, em 2011, do programa de ônibus espaciais da Nasa, que levava humanos ao espaço.

A convenção internacional estabeleceu a fronteira espacial mais acima, a 100 km de altitude, na chamada "linha de Karman".

"SpaceShipTwo, bem-vinda ao espaço", escreveu a Virgin Galactic, que tuitou o voo em tempo real, mas não difundiu imagens ao vivo. A nave atingiu velocidade de Mach 3.0 durante sua ascensão. Aterrissou sem incidentes na base especial do deserto de Mojave.

A SpaceShipTwo está projetada para transportar seis passageiros turistas, mas os testes foram adiados por anos, em parte devido a um acidente em pleno voo no qual morreu o copiloto em 2014.

Richard Branson disse em 7 de fevereiro à AFP que espera que os testes sejam suficientemente avançados em julho as provas estejam suficientemente avançadas em julho próximo para poder ocupar um lugar a bordo.

A principal concorrente da Virgin Galactic é a Blue Origin, fundada pelo milionário Jeff Bezos, dono da Amazon.

A nave espacial New Shepard, da Blue Origin, cruzou os 100 km, mas nunca com pessoas a bordo. Bezos sugeriu que isto poderia ocorrer este ano.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.