Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Bolsa de Nova York

(afp_tickers)

A bolsa de Nova York fechou com tendências opostas nesta quinta-feira (2), mantendo a prudência após a nomeação de Jerome Powell para chefiar o Federal Reserve (Fed, banco central americano) e a apresentação de reforma fiscal: o Dow Jones subiu 0,34%, batendo novo recorde, mas o Nasdaq recuou 0,02%.

Segundo resultados definitivos do fechamento, o índice de referência Dow Jones Industrial Average subiu 81,25 pontos, com 23.516,26.

O índice eletrônico Nasdaq recuou 1,59 ponto, a 6.714,94.

O índice ampliado S&P 500 avançou 0,02%, ou 0,49 ponto a 2.579,85 pontos.

O presidente Donald Trump nomeou nesta quinta-feira Jerome Powell para comandar o banco central em substituição a Janet Yellen, cujo mandato termina em fevereiro, marcando um desejo de continuidade na questão da política monetária.

"O mercado precisa desta transição calma. Sua seleção mudará poucas coisas na política atual", destacou Hugh Johnson, da Hugh Johnson Advisors.

De qualquer forma, "é percebido como favorável a uma flexibilização da regulamentação financeira, favorecendo a capacidade de empréstimos das instituições bancárias e do crescimento econômico", avaliou Tom Cahill, do Ventura Wealth Management.

Logo cedo, a apresentação de medidas concretas da reforma fiscal por parte dos republicanos no Congresso não tinha entusiasmado muito os mercados, visto que as grandes linhas da reforma já eram em grande parte conhecidas.

"Se a economia se mantiver em torno de 3% de crescimento anual e os cortes fiscais forem postos em prática no ano que vem, será muito positivo para as ações", antecipou Cahill.

O mercado de obrigações subiu: o rendimento dos bônus do Tesouro com 10 anos caiu a 2,347% contra 2,372% na noite de quarta-feira e o de títulos a 30 anos a 2,828% contra 2,854% anteriormente.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP