Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Placa de Wall Street próximo a bandeiras americanas

(afp_tickers)

A Bolsa de Nova York fechou em alta nesta quarta-feira, amparada pela força do setor tecnológico e dados melhores que o esperado sobre a economia americana.

O índice industrial Dow Jones avançou 0,12%, a 21.892,43 unidades, e o tecnológico Nasdaq, 1,05%, a 6.368,31. O S&P 500 teve alta de 0,46%, a 2.457,59 unidades.

Num mercado com operações limitadas neste fim de agosto, investidores apostam em empresas de alto crescimento, segundo Sam Stovall, da CFRA.

"Faz oito anos e meio que estamos em um mercado ascendente, alguns investidores dizem que provavelmente não vai durar muito mais e querem apostar em empresas que já provaram que têm lucros que crescem rapidamente", apontou, para explicar a diferença de ritmo entre Dow Jones e Nasdaq.

A gigante informática Apple subiu a um nível recorde no início da sessão.

"Isso estimulou outros nomes da tecnologia, como Facebook, Amazon e Google", avaliou Adam Sarhan, da 50 Park Investments.

Politicamente, investidores continuam "mostrando tolerância à crise crescente com a Coreia do Norte, à incerteza persistente sobre a estratégia monetária e política americana e às consequências dos danos causados pelo furacão Harvey", destacaram analistas da Charles Schwab.

Segundo uma estimativa do Departamento do Comércio divulgada nesta quarta-feira, o crescimento da economia americana se acelerou fortemente no segundo trimestre de 2017, a 3%.

O mercado de títulos fechou em baixa: o rendimento dos bônus do Tesouro americano a 10 anos tinha alta de 2,139% contra 2,129% na noite de terça-feira, e o de títulos a 30 anos a 2,740% contra 2,738%.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP