Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Placa de Wall Street próximo a bandeiras americanas

(afp_tickers)

Wall Street fechou nesta quarta-feira (27) em alta após os republicanos apresentarem no Congresso a reforma fiscal prometida pelo presidente Donald Trump: o Dow Jones avançou 0,25%, e o Nasdaq, 1,15%.

O índice industrial Dow Jones ganhou 56,39 pontos, a 22.340,71 unidades, e o tecnológico Nasdaq, 73,10 pontos, até 6.453,26 unidades. O S&P 500 teve alta de 0,41%, a 2.507,04 unidades.

Donald Trump e sua maioria republicana no Congresso apresentaram nesta quarta as linhas de um vasto projeto de reforma da arrecadação fiscal, que tem como destaque uma importante redução de impostos às empresas e às pessoas.

Após uma recepção moderadamente entusiasmada, os indicadores de Wall Street ganharam força durante a sessão da bolsa.

A proposta "é só um rascunho, ainda estamos no começo do processo legislativo", destacou Quincy Krosby, da Prudential.

"Foi preparado por seis pessoas, agora falta convencer o resto dos republicanos no Congresso", apontou.

Além disso, "se prevê desde já a oposição de alguns senadores republicanos a algumas medidas do projeto", revelou Gregori Volokhine da Meschaert Financial Services.

Contudo, "alguns detalhes-chave levam a pensar que o projeto tem mais possibilidades de ser aprovado" no Congresso, segundo Christopher Low da FTN Financial.

"O 'grupo de seis' que trabalhou no texto inclui os chefes dos republicanos no Congresso, que sabem o que falta para convencer outros legisladores", indicou.

Além disso, o projeto não entra em detalhes, "deixando espaço para acordos, inclusive com democratas", concluiu.

No mercado de títulos, às 20H20 GMT (17H20 de Brasília), os bônus do Tesouro a 10 anos subiam a 2,302%, contra 2,236% de terça-feira, e os bônus a 30 anos avançavam a 2,854%, ante 2,774% da sessão anterior.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP