Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Bolsa de Nova York

(afp_tickers)

A Bolsa de Nova York fechou em alta nesta terça-feira (10), com a aproximação da temporada de resultados e a boa performance do gigante de distribuição Wal-Mart, estimulando o Dow Jones a um novo recorde.

O índice industrial Dow Jones avançou 0,31%, a 22.830,68 unidades, o tecnológico Nasdaq teve alta de 0,11%, a 6.587,25 unidades, e o S&P 500 subiu 0,23%, a 2.550,64 unidades.

Membro do Dow Jones, a cadeia de supermercados Wal-Mart teve alta de 4,47%, registrando sua melhor sessão desde maio de 2016, após destacar o bom desempenho de suas plataformas comerciais na internet e a recompra de ações por 20 bilhões de dólares.

"É, sem dúvidas, um elemento positivo, exatamente antes da temporada de resultados que novamente se anuncia bem sólida", adiantou William Lynch da Hinsdale Associates, que previu um incremento dos lucros das empresas no terceiro trimestre próximo de 6%.

Em geral, "nos mantemos traquilamente perto de novos recordes", afirma Art Hogan, da Wunderlich Securities. "Os investidores mostram certa ansiedade com a aproximação da temporada de resultados, principalmente em relação ao eventual impacto dos furacões sobre os resultados do terceiro trimestre".

Por sua vez, o presidente Donald Trump garantiu, nesta terça, que seus ataques contra um líder republicano do Congresso não ameaça a reforma fiscal. "A expectativa de aprovação de uma lei sobre o tema até o fim do ano ajuda o mercado a continuar subindo", comentou Lynch.

O mercado de títulos estava em alta: o rendimento dos bônus do Tesouro a 10 anos recuava a 2,348%, contra 2,359% na noite de segunda-feira, e o dos títulos a 30 anos a 2,882%, contra 2,894% da véspera.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP