Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Placa de Wall Street próximo a bandeiras americanas

(afp_tickers)

Wall Street fechou em baixa nesta segunda-feira (23) após resultados trimestrais discretos de várias empresas.

O índice industrial Dow Jones recuou 0,23%, a 23.273,96 unidades, o tecnológico Nasdaq caiu 0,64%, a 6.586,83 pontos, e o S&P 500 perdeu 0,40%, ficando com 2.564,98 unidades.

Os três índices arrancaram no começo da sessão, mas foram progressivamente caindo durante o dia.

Essa é considerada uma semana-chave para os investidores, porque espera-se que sejam divulgados os resultados do último trimestre de empresas de grande porte, como Microsoft, Alphabeat (matriz da Google), McDonald's, Coca-Cola, ExxonMobil e Chevron. "É nisso que os investidores estão concentrados", disse William Lynch, da Hinsdale Associates.

"Até o momento, as performances foram muito encorajadoras", destacou.

O escritório Factset disse que 17% das empresas listadas no S&P que divulgaram resultados até sexta-feira passada - 76% relatam lucros por ação maiores que o esperado e 72% lucros maiores que os calculados por especialistas.

Contudo, dados desta segunda-feira foram recebidos com frieza.

"As ações estão atualmente valorizadas quase à perfeição", disse Art Hogan da Wunderlich Securities. "Falta que se determine quais empresas têm títulos demasiadamente valorizados", acrescentou.

A General Electric recuou 6,34%, prejudicada por comentários negativos sobre os resultados trimestrais apresentados na sexta-feira, que até seu diretor-executivo considerou "inadmissíveis".

O mercado de títulos estava em alta: o rendimento dos bônus do Tesouro a 10 anos caiu a 2,370%, contra 2,384% de sexta-feira, e o dos papéis a 30 anos era de 2,883%, ante 2,897% da sessão anterior.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP