Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente americano Donald Trump em Washington, DC, no dia 29 de junho de 2017

(afp_tickers)

Os Estado Unidos aprovaram a venda de armas a Taiwan por um valor de 1,3 bilhão de dólares, informou nesta quinta-feira um funcionário americano.

Esta decisão pode provocar a ira de Pequim, que considera Taiwan uma província rebelde.

"Isso não muda nosso compromisso com a política de 'uma só China' contraída há muito tempo", disse o funcionário, enfatizando que essa política é considerada um pré-requisito por Pequim para manter relações diplomáticas.

Segundo o funcionário americano, o armamento inclui principalmente sistemas de radar e de mísseis, mas também há uma "atualização" de sistemas que já estão em poder de Taiwan.

A decisão ainda precisa ser aprovada pelo Congresso, que nunca hesitou em dar apoio à venda de armas a Taiwan.

Embora o funcionário tenha reiterado que não mudou a política, disse que "durante décadas e por vários presidentes dos Estados Unidos se manteve o compromisso firme de satisfazer as necessidades de defesa" de Taiwan.

A última venda de armas a Taiwan foi em dezembro de 2015.

O governo de Barack Obama autorizou a venda de armas por 1,2 bilhão de dólares, que incluíram mísseis antitanques, veículos anfíbios e duas fragatas, o que gerou mal-estar em Pequim.

AFP