Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um relatório do Instituto Reuters concluiu que o consumo de notícias nas redes sociais caiu 6% nos Estados Unidos em relação ao ano passado.

(afp_tickers)

O consumo de notícias está se transferindo cada vez mais de redes sociais como Facebook para plataformas de mensagens como o WhatsApp, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira, que constata também o aumento da desconfiança em relação às notícias nestas plataformas.

O relatório do Instituto Reuters, que analisou 37 países de cinco continentes, concluiu que o consumo de notícias nas redes sociais caiu 6% nos Estados Unidos em relação ao ano passado.

"Quase toda a queda se deve à redução da descoberta, publicação e compartilhamento de notícias no Facebook", disse o principal autor do estudo, Nic Newman, um dos criadores do site da BBC News.

A imagem do Facebook sofreu o pior golpe de sua história neste ano, quando se soube que dados privados de seus usuários eram usados irregularmente com fins políticos.

O caso levou muitas pessoas no mundo todo a abandonarem o Facebook e passarem mais tempo no WhatsApp e Instagram, embora ambos sejam propriedade do Facebook.

O estudo "2018 Digital News Report" estimou que cerca de metade dos consultados na Malásia (54%) e Brasil (48%) usam agora o WhatsApp, como um terço dos entrevistados na Espanha (36%).

O relatório, elaborado a partir de uma pesquisa feita pela empresa YouGov com 74.000 consumidores de notícias na internet, mostrou também o aumento do uso do Instagram na Ásia e América do Sul, enquanto o Snapchat avançou na Europa e Estados Unidos.

A confiança média nas notícias se manteve estável em 43%, mas só 23% afirmaram confiar nas notícias que encontram em redes sociais.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










AFP