Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Visão geral durante o evento de lançamento do Windows 10, em Chicago, no dia 31 de julho de 2015

(afp_tickers)

A Microsoft anunciou nesta quarta-feira que seu novo sistema operacional, Windows 10, já está rodando em mais de 75 milhões de dispositivos desde que foi lançado, há menos de um mês.

A gigante da tecnologia espera ver seu sistema de última geração funcionando em um bilhão de dispositivos, entre computadores, celulares e outros aparelhos.

O Windows 10 está rodando em mais de 90 mil modelos diferentes de computadores e tablets, inclusive alguns anteriores a 2007, afirmou o vice-presidente de marketing da empresa, Yusuf Mehdi, em uma série de tweets. Mais de 75 milhões de dispositivos agora funcionam com o software e este número está "crescendo todos os dias", relatou.

Cerca de 14 milhões de pessoas instalaram o sistema operacional Windows 10 nas primeiras 24 horas após seu lançamento, em 29 de julho, o que a Windows considerou "surpreendentemente positivo".

As apostas são altas enquanto a Microsoft impulsiona o sistema operacional tanto para computadores tradicionais quanto para aparelhos móveis, como tablets e smartphones.

A companhia espera que o novo sistema possa ajudá-la a conquistar mercado de dispositivos móveis, no qual está muito atrás do Android, do Google, e do iOS, da Apple.

O Windows 10 - para o qual a Microsoft saltou diretamente do Windows 8, que teve uma fraca resposta dos usuários - está sendo oferecido como uma atualização gratuita para a maioria dos dispositivos, fazendo com que esteja disponível rapidamente para bilhões de aparelhos.

O sistema permitirá interações por voz, caneta e gestos, e, em alguns casos, identificação biométrica para garantir uma segurança maior.

A notícia sobre a presença do Windows 10 em dispositivos de 192 países coincide com a previsão da consultoria em tecnologia da informação International Data Corporation (IDC) de que as remessas de computadores pessoais cairão em 8,7% este ano e continuarão em queda no ano que vem.

"Apesar das óbvias deficiências do setor dos computadores pessoais, um indício de que há luz no fim do túnel é que a indústria tem continuado a aperfeiçoar os aspectos móveis dos computadores pessoais, contribuindo para um maior crescimento em notebooks conversíveis e ultrafinos", avaliou o analista sênior de pesquisas da IDC, Jay Chou.

AFP