Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O YouTube não explicou por que decidiu fechar a conta, nem por quanto tempo

(afp_tickers)

O YouTube fechou o canal de propaganda da Coreia do Norte em seu site, enquanto os Estados Unidos buscavam sanções mais fortes contra Pyongyang após seus recentes testes nucleares e de mísseis.

O fechamento do Uriminzokkiri, que costumava publicar vídeos exaltando os programas nucleares e de mísseis da Coreia do Norte ou elogiando o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, foi confirmado neste sábado.

"Esta conta foi fechada por violar as regras da comunidade do YouTube", informava a plataforma de vídeos.

O YouTube não explicou por que decidiu fechar a conta, nem por quanto tempo. Mas a receita que a publicidade possa gerar para a mesma poderia violar as sanções impostas pelos Estados Unidos.

Pesquisadores universitários recorrem a vídeos oficiais do canal, em que são exibidos lançamentos de mísseis ou Kim Jong-Un visitando fábricas, para tentar entender os progressos do país em seus programas de armamentos.

"O acompanhamento e a reconstrução digital de acontecimentos será mais complicada agora que a conta foi eliminada", declarou o analista de imagens de satélite baseado em Washington Scott Lafoy ao site NK News.

O canal cumpria um papel de propaganda para a Coreia do Norte. As redes sociais do Uriminzokkiri, no entanto, continuavam ativas neste sábado.

Esta não é a primeira vez em que o YouTube toma ações contra a propaganda norte-coreana. Em novembro de 2016, a plataforma de vídeos fechou o canal Korean Central TV1, propriedade do Estado norte-coreano. Outros canais, como Chosun TV, NK Propaganda e KCTV Stream, também foram fechados, segundo o NK News.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP