Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Arquivo) Logotipo do YouTube

(afp_tickers)

O site de compartilhamento de vídeos YouTube começou, nesta terça-feira, a permitir que usuários populares em sua plataforma transmitam conteúdo ao vivo usando dispositivos móveis, desafiando o Facebook e Twitter na área da transmissão em tempo real.

O YouTube, de propriedade da Google, permite há seis anos que sejam transmitidos vídeos ao vivo por computadores e, inclusive, utilizou este recurso para os debates presidenciais dos Estados Unidos.

A nova função permite os criadores de conteúdo do YouTube, cujos canais têm mais de 10 mil inscritos, fazer vídeos ao vivo através de aplicativos de smartphones, segundo os diretores de produto Barbara Macdonald e Kurt Wilms.

"É um lançamento que colocará a possibilidade da transmissão ao vivo nas mãos de centenas de milhares de criadores talentosos, dando-lhes uma forma mais intimista e espontânea de compartilhar seus pensamentos, suas vidas e sua criatividade", disseram Macdonald e Wilms em uma publicação em um blog.

A nova função logo estará disponível no YouTube de forma mais ampla, prometeram.

Tanto o Facebook como o Twitter já acrescentaram essa ferramenta a seus aplicativos, saindo na frente do YouTube.

Em dezembro, o Facebook começou a testar um serviço de streaming de áudio ao vivo que permitirá aos usuários transmitirem conteúdo como uma rádio online.

A nova possibilidade se apresentou como uma alternativa ao Facebook Live, que permite transmitir vídeos ao vivo.

A ferramenta de transmissão de áudio online promete ser útil em áreas onde as redes de telefonia têm problemas para lidar com grandes demandas de dados de streaming de vídeo.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP