Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

O presidente Robert Mugabe, em Pretória, em 19 de agosto de 2017

(afp_tickers)

O 21 de fevereiro, dia do aniversário de presidente Robert Mugabe, será feriado no Zimbábue para homenagear o homem que comanda o país com mão de ferro desde 1980, informou um jornal estatal neste sábado.

As pressões do Zanu-PF, partido governista, deram frutos: o aniversário do presidente de 93 anos deixará de ser um dia como os demais para se tornar o "Dia da Juventude de Robert Mugabe".

"Queremos manifestar os valores e os princípios que nosso presidente R.G. Mugabe encarna de forma tão brilhante, e que tornaram a sua vida um exemplo que pode inspirar a juventude", declarou o ministro do Interior, Ignatius Chombo, citado pelo jornal Herald.

O ministro afirmou que essa decisão é tomada após anos de pressão do Zanu-PF, que também quer colocar o nome do chefe de Estado no maior aeroporto do país.

Na semana passada, o Zimbábue, que há anos vive uma grave crise econômica, anunciou a construção da Universidade Robert Mugabe a um custo de um bilhão de dólares.

Essa universidade não é o primeiro edifício público a levar o nome do presidente. Uma escola de administração, uma rua da capital e uma estrada para sua cidade natal foram batizadas de Robert Mugabe.

Apesar de seus 93 anos, Mugabe, que chegou ao poder em 1980, quando Zimbábue ficou independente do Reino Unido, já prevê se apresentar para as eleições presidenciais de 2018.

O presidente é o decano dos chefes de Estado em atividade. Sob o seu regime autoritário, o país africano empobreceu muito e desde o início dos anos 2000 lida com um desemprego em massa - cerca de 90% da população ativa - e uma falta de liquidez que atrasa o pagamento dos salários dos funcionários.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

AFP