Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Alerta contra droga na Street-Parade

Uma minoria recorre a drogas

(Keystone Archive)

O consumo de drogas é uma das maiores preocupações das autoridades de Zurique por ocasião da Street-Parade, do fim de semana. A mega-festa deve atrair um milhão de pessoas interessadas em divertir-se ao som de música "tecno", "house", "garage..." Médicos alertam e dá dicas.

O sucesso popular da Street-Parade de Zurique está garantido, ainda mais que as previsões de tempo são boas. Nessa décima edição do evento, o número de participantes - que foi de 2 mil dez anos atrás - deve saltar a 1 milhão. Na maioria jovens.

Em festas como essa, especialistas lembram que a droga mais consumida é a ecstasy. E advertem que outros tipos de entorpecentes, menos conhecidos, são potencialmente mais perigosos.

consumidores podem ser enganados

Dr Peter Iten, chefe da Divisão de Toxicologia do Instituto de Medicina Legal, de Zurique, diz a esse respeito: "Acontece que produtos vendidos como ecstasy sejam falsos. O mais perigoso é quando anfetaminas e metanfetaminas entram na composição da pílula. São drogas mais agressivas e mais perigosas".

Para quem usa drogas, ele tem uma dica: "Devem beber muita água, tomando ao mesmo tempo consciência do risco das conseqüências de conjugar esforços físicos e com efeitos dos produtos consumidos".

No sentido de evitar acidentes, o Instituto Suíço de Prevenção de Álcool e Abuso de Droga, colocou à disposição dos interessados um número de telefone de urgência.

Alerta a não mesclar droga e álcool

O diretor do Instituto, Richard Müller, afirma que uma das perguntas mais freqüentes feitas pelo telefone é sobre que drogas se podem misturar". Muitos querem saber, por exemplo, se ecstasy com álcool faz mal. E sempre avisamos que é muito perigoso".

Muller aconselha também não se tomar droga sozinho, caso tudo dê errado, enfatizando que os que tomam nova droga pela primeira vez, se limitem a experimentar só a metade ou um quarto da dose e aguardar o efeito.

Ao ser acusado de desculpar o uso de droga em vez de insistir na abstinência, ele responde que simplesmente assume atitude realista, enfatizando que o objetivo é minimizar as conseqüências dos que tomam drogas, mesmo quando advertidos do perigo.

Richard Müller destaca por fim que mais de 80% dos participantes não utilizam qualquer droga.

swissinfo


Links

×