Navigation

Skiplink navigation

Benefícios sociais atingiram quase 300 mil residentes em 2016

No ano passado, pouco mais de três por cento de todos os residentes suíços, ou 273.273 pessoas, receberam benefícios sociais, informa o Departamento Federal de Estatística. Cerca de 90% dos refugiados e requerentes de asilo estão no bem-estar.

Este conteúdo foi publicado em 25. dezembro 2017 - 09:30
swissinfo.ch and agencies/sb


Mendigo fantasiado de Papai Noel na praça do Plainpalais em Genebra, 3 de dezembro de 2017 Keystone


Em 2016, o número total de pessoas que receberam benefícios aumentou em 7.647 para 273.273. Essa tendência ascendente continua constante desde 2008.

Crianças (até 17 anos) representam um em cada três beneficiários, enquanto os residentes estrangeiros são 6,3% do total.

Cidades como Neuchâtel, Basileia, Genebra, Lausanne e Berna têm o maior número de beneficiários, enquanto os mais baixos são encontrados nos cantões rurais de Appenzell, Obwalden e Uri.

Em 2016, 85,8% dos refugiados, ou 25.544 pessoas, receberam assistência social. A taxa para os requerentes de asilo foi de 88,4%, ou 55.504 pessoas. A maioria vem da Eritréia e da Síria.

A organização não-governamental Caritas advertiu na terça-feira que o número real de pessoas que precisam de assistência social pode ser maior, pois nem todas as pessoas que têm direito ao auxílio o requerem. A Caritas cita um estudo do cantão de Berna que mostrou que um quarto dos que tinham direito a benefícios decidiu não se candidatar aos programas.

A ONG também apontou que no ano passado quase 40 mil pessoas esgotaram seu direito a benefícios de seguro-desemprego. Além disso, 145 mil trabalhadores pobres ganham salários que não lhes permitem chegar ao fim do mês.

Caritas também denunciou "ataques à segurança social" por vários cantões, os quais ela acusa de competição fiscal, promovendo cada vez mais cortes nos serviços sociais, que afetam os pobres, para compensar os cortes de impostos para empresas. A ONG pede às autoridades que introduzam um quadro legal federal para supervisionar questões de bem-estar.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo