Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Armistício em 1918 Na Suíça a memória também fica gravada em pedra

Muitos países celebram o centenário do fim da Primeira Guerra Mundial em 11 de novembro. No centro das comemorações, monumentos lembram os mortos nos conflitos. Mesmo tendo sido poupada da destruição, a Suíça também abriga alguns desses espaços de memória. 

Monumento em forma de labareda

No formato de labareda e com uma altura de 18 metros, o Memorial de Forch (Zurique) homenageia 365 soldados zuriquenses mortos durante a Primeira Guerra Mundial.

(Keystone)

Vários países europeus terão um domingo marcado pelas comemorações relativas ao término da Primeira Guerra Mundial, especialmente França e Grã-Bretanha.  

Na Inglaterra, 882.246 tulipas em cerâmica foram fixadas nos jardins que circundam a Torre de Londres. O número corresponde ao dos soldados britânicos mortos durante o conflito.

Na França, o presidente Emmanuel Macron percorreu durante uma semana um "itinerário memorial" às antigas zonas de combate. A comemoração se conclui em 11 de novembro, em Paris, com a presença de pouco mais de 60 chefes de Estado. Alain Berset, ministro do Interior e atual presidente da Confederação, representa a Suíça no evento.

Soldados estrangeiros

Na Suíça também participou das homenagens. Uma das cerimônias ocorreu no cemitério de St-Martin de Vevey (cantão de Vaud, oeste), que abriga em um espaço especial túmulos de 88 soldados originários dos países do Commonwealth mortos na Primeira Guerra Mundial. Outros 48 túmulos são de soldados que morreram durante a Segunda Grande Guerra.

Túmulos

Túmulos de soldados dos países do Commonwealth mortos nos dois conflitos mundiais no cemitério de St-Martin, em Vevey.

(Sylvie Bazzanella / notrehistoire.ch)

A presença de túmulos de soldados estrangeiros em solo suíço deve-se ao acolho de prisioneiro de guerra na Suíça desde a Batalha Franco-Prussiana de 1870. A política continuou a ser seguida durante os dois conflitos mundial. 

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Suíça recebeu por questões humanitárias, entre 1916 e 1919, mais de 65 mil prisioneiros de guerra. Eram prisioneiros gravemente enfermos ou feridos ou de idade avançada. Um certo número dentre eles faleceu na Suíça, onde permaneceram enterrados. 

Essa política de acolho é lembrada por vários monumentos ou outros objetos. Uma centena de memoriais são dedicados aos mortos da França, seja na forma de túmulos, monumentos, placas ou estelas. 

Também vítimas suíças

A Primeira Guerra Mundial também provocou a morte de cidadãos suíços. Centenas deles se voluntariaram para servir em forças armadas estrangeiras, sobretudo dos países aliados. Na França, o monumento "Memoria dos Homens" lembra dos 1991 soldados mortos nascidos na Suíça. 

Placa comemorativa

No cemitério de Châtelaine, em Genebra, uma pequena placa lembra dos voluntários suíços mortos na Primeira Guerra Mundial.

(Simon Bradley / Swissinfo)

Além dos voluntários helvéticos, inúmeros estrangeiros residentes na Suíça se apresentaram em 1914 para lutar pelos seus países de origem. Após a guerra, diversas comunidades estrangeiras construíram monumentos para homenageá-los. 

Monumento aos mortos

Em Genebra, frente ao Consulado da França, um monumento lembra dos 45 suíços e franceses residentes na cidade que morreram lutando pela França. 

(Simon Bradley / Swissinfo)

Mártires da causa anti-bolchevique

Mesmo apesar da neutralidade, a Suíça envolveu-se também na Primeira Guerra. Em agosto de 1914, 220 mil homens foram mobilizados para defender as fronteiras. O efetivo variou ao longo do conflito. No final do conflito, apenas 12.500 homens continuavam mobilizados. Mais de um terço foi requisitado em novembro de 1918 para responder à greve geral convocada pelo movimento operário do país

Segundo o Dicionário Histórico da Suíça, três mil soldados morreram durante o serviço ativo por enfermidades ou acidentes. Mais da metade (1.800) faleceu no final de 1918 devido à gripe espanhola. A junção dos dois eventos - gripe espanhola e greve geral - resultou em monumentos geralmente destinados a honrar os "mártires da causa anti-bolchevique". 

Lembranças A Suíça lembra dos seus soldados

L'armée suisse a perdu environ 3000 hommes durant la Première Guerre mondiale. La plupart ont succombé à des maladies, surtout la grippe espagnole.

Dois casos de soldados suíços mortos por balas estrangeiras foram repertoriados. Em 4 de outubro de 1916, no Desfiladeiro do Umbrail, na fronteira entre o cantão dos Grises e a Itália, o fuzileiro Georg Cathomas pereceu após ser baleado por tropas italianas interessadas em perturbar as comemorações feitas pelos austríacos por ocasião do aniversário do imperador Francisco José I.

Em 7 de outubro de 1918, na fronteira da Cordilheira do Jura (entre a França e a Suíça), um balão de observação do Exército suíço foi abatido por um avião alemão, provocando a morte do tenente Walter Flury.

Pedra comemorativa

Uma placa lembra o local onde caiu o balão em uma floresta na Cordilheira do Jura, próximo a fronteira com a França.

(Jean-Loup Frommer / Aérostèles)


Adaptação: Alexander Thoele

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.