Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Arquivo swissinfo: "Apoio" ao apartheid pode custar caro aos bancos suíços

Ed Fagan veio explicar o que pretende em Zurique, onde estão as sedes dos grandes bancos

(Keystone)

Advogado norte-americano entrou com queixa coletiva contra os bancos suíços na justiça americana. Ele quer reparação dos danos causados às vítimas pelo "respaldo" ao regime segregacionista sul-africano.

O advogado em questão é Ed Fagan, o mesmo que desencadeou na justiça o processo das contas inativas de vítimas inativas do nazismo. O Processo, que custou 1.25 bilhão de dólares aos bancos suíços,agitou a Suíça na segunda metade da década passada.

Desta vez Fagan tem em mira também estabelecimentos da França, Alemanha e Grã-Bretanha. Mas as pretensões em relação ao UBS e Credit Suisse, os dois grandes bancos suíços, são muito mais altas: 80 bilhões de francos - cerca de € 54 bilhões.

Em Zurique, segunda-feira (17/6) Fagan considerou essa soma "talvez até um pouco baixa", em coletiva à imprensa. Ele aventou também a possibilidade de extender a queixa a outras empresas suíças e ocidentais.

Lucros

A queixa foi apresentada dia 17/6 em Nova York. Ed Fagan veio à Suíça e explicou publicamente suas intenções, em Zurique.

As boas relações dos bancos suíços com o apartheid duraram de 1960 a 1992, quando caiu esse regime racista de "desenvolvimento separado". A Suíça condenava "moralmente" o regime, mas não adotou sanções econômicas contra o País.
Essa atitude beneficiou a Suíça. Zurique tornou-se então um dos principais centros do comércio do ouro, produto de que a África do Sul é importante produtor mundial.

Exame de consciência

Segundo Norbert G.Gschwend, parceiro de Ed Fagan na Suíça, a queixa coletiva de sul-africanos lesados já reúne 80 nomes. Mas com a publicidade feita na África do Sul, o número deveria aumentar.

Enquanto isso, os bancos suíços esperam que se oficialize a queixa para reagirem. Mas a iniciativa deverá fortalecer na Suíça os meios que pedem que se passe ao pente fino a política suíça durante o regime do apartheid. Um exame de consciência que já foi feito em relação à colaboração do País com o regime nazista.

De acordo com especialistas, o processo na justiça pode levar até 5 anos.

swissinfo com agências


Links

×