Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Arquivos diplomáticos Uma aventura africana foi o ponto de inflexão da diplomacia suíça

Há pouco mais de quarenta anos um ministro suíço das Relações Exteriores começava uma viagem de duas semanas através da África ocidental. A visita abriu um novo capítulo na história diplomática do país, apesar de ter provocado na época bastante controvérsia e debates acalorados sobre a neutralidade suíça e seu papel no mundo.

Pierre Aubert and his wife in Cameroon, January 19, 1979

(StAAG/RBA/Reto Hügin)

Era um domingo, 14 de janeiro de 1979, quando um avião decolou no aeroporto de Zurique em direção à Lagos, Nigéria. A bordo estava uma delegação comandada pelo ministro suíço das Relações Exteriores na época, Pierre Aubert.Link externo 

Durante quinze dias a delegação, que incluía funcionários graduados dos ministérios das Relações Exteriores e da Economia, visitaram Nigéria, Camarões, Upper Volta (hoje chamado Burkina Faso), Costa do Marfim e Senegal. 

Para Pierre Aubert, a viagem tinha uma grande importância: foi quando ele declarouLink externo, em 5 de janeiro de 1979, que os contatos da Suíça com os países africanos eram muito tênues. "Acreditamos ser importante por questões políticas e econômicas de retomar o diálogo com os países do continente", declarou na época. 

Série

Esse artigo faz parte de uma série dedicada à história da diplomacia suíça em colaboração com os arquivos do ministério suíço das Relações Exteriores (DodisLink externo, na sigla em inglês). Dodis é um projeto baseado em Berna e tem como principal objetivo de arquivar e editar os documentos relacionados às relações exteriores do país.

Aqui termina o infobox

Além de ver a viagem como um gesto de boa-vontade em relação à África, o objetivo da viagem era de explica o foco da política externa da Suíça e ressaltar as posições do país em relação aos problemas enfrentados pelo continente. O programa da visita incluía encontros com signatários de vários países para discutir temas ligados à cooperação para o desenvolvimento e relações comerciais. 

Ponto de virada

No final dos anos 1970 os membros do Conselho Federal (gabinete de sete ministros que governam o país) haviam há pouco tempo começado a participar de viagens ao exterior. "Porém a viagem de Pierre Aubert foi considerada um marco", avalia Sacha Zala, diretor do Dodis. "As pessoas começaram a falar dos direitos humanos como parte da política externa da Suíça, um tema que até então era considerado um tabu para os ministros das Relações Exteriores. A política de neutralidade impedia os membros do governo de colocar em debate os direitos humanos, o que na época era visto como uma interferência na política interna de outros países."

A imprensa helvética foi a primeira a perceber a importância da viagem de Aubert à África e a polemicaLink externo que causava entre os políticos em Berna. Já no seu início ela foi bastante tematizada nos jornais. Políticos criticaram o "dinamismo" do novo ministro ao integrar novos elementos à política externa suíça. Alguns chegaram mesmo a expressar o temor de que Aubert estaria se solidarizando muito abertamente à opinião de vários líderes africanos sobre o Apartheid na África do Sul.


Traduzido do inglês por Alexander Thoele, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.