Igreja Protestante apoia casamento entre pessoas do mesmo sexo

As Igrejas Protestantes da Suíça pronunciaram-se a favor de uma proposta de base jurídica para os casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Este conteúdo foi publicado em 07. novembro 2019 - 07:15
As Igrejas Protestantes da Suíça são vistas como mais progressistas do que a Católica em questões como o casamento gay Keystone/Ralf Hirschberger

Uma clara maioria de representantes eclesiásticos aprovou uma recomendação da liderança da Igreja Protestante durante uma assembleia nacional realizada na terça-feira, 5 de novembro.

No entanto, os representantes decidiram deixar ao critério dos pastores das igrejas a decisão de permitir ou não casamentos homossexuais com base no regulamento da igreja.

A decisão foi tomada após debates controversos sobre a posição das Igrejas Protestantes em meio à oposição de grupos mais conservadores.

"A assembleia fez questão de enfatizar que diferentes noções de casamento continuam sendo possíveis na Igreja Protestante", diz um comunicado.

As Igrejas Protestantes têm uma estrutura federalista e são uma das principais igrejas da Suíça.

A outra principal denominação religiosa da Suíça, a Igreja Católica Romana, tem-se recusado até agora a tomar uma posição clara sobre a questão do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Estão em curso no Parlamento iniciativas no sentido de criar uma base jurídica para o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A Câmara dos Deputados deverá discutir um projeto de lei no próximo ano.

A maioria dos partidos políticos tem se manifestado a favor, exceto o Partido Popular Suíço (direita) e o Partido Evangélico (centro).

O projeto de lei não inclui a questão da adoção ou da medicina reprodutiva.

Casais homoafetivos podem reconhecer sua união civil oficialmente na Suíça desde 2007. Mas muitos homossexuais esperam que o casamento se torne o próximo passo oficial como forma de acabar com o estigma que envolve as relações registradas (veja no vídeo abaixo):

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo