Navigation

Bancos revelam mais 3.100 titulares de contas inativas

A primeira lista foi publicada em 1997. Keystone

Os bancos suíços divulgam nesta quinta-feira (13.01) outros 3.100 nomes de pessoas a serem indenizadas, sobreviventes do Holocausto ou seus herdeiros.

Este conteúdo foi publicado em 13. janeiro 2005 - 09:55

Esses nomes, divulgados pela Internet, somam-se aos 21 mil nomes já publicados no âmbito do acordo global de indenenização firmado em 1998.

Foram os advogados das vítimas que anunciaram quarta-feira a publicação de uma nova lista, hoje, durante audiência no tribunal federal do Brooklyin, em Nova York. A lista já fora aprovada pelos grandes bancos suíços em 17 de junho último.

A publicação resulta de um compromisso concluído com os queixosos judeus nos Estados Unidos. O objetivo é acelerar o pagamento de indenizações a todas as pessoas que têm direito a elas.

21 mil nomes já foram publicados

Os 3.100 novos nomes de detentores de contas em bancos suíços na época do nazismo somam-se aos 21 nomes já publicados em 2.001.

Da edição de quinta-feira do New York Times, o advogado dos queixosos judeus, Burt Neuborne, estima que é justamente devido a publicação dessa lista que mais de 2.800 indenizações foram pagas até aqui, num total de aproximadamente 240 milhões de dólares.

A nova lista estará disponível na Internet no endereço (swissbankclaims.com et crt-ii.org). As pessoas relacionadas ou suas famílias terão seis meses de prazo para dar queixa na justiça.

Acordo global

Acusados de não terem devolvido o direito o dinheiro das pessoas que abriram contam na Suíça entre 1939 e 1945, antes de serem perseguidas pelo regime nazista, os bancos aceitaram pagar 1,25 bilhão de dólares de indenização às vítimas e suas famílias.

O chamado Acordo Global foi assinado em agosto de 1998 entre os grandes bancos suíços e os advogados das vítimas, em sua maioria judeus, que tentavam processá-los nos Estados Unidos. As queixas foram retiradas da justiça estadunidense.

Plano de indenização

O plano para repartir as indenizações de 1,25 bilhão foi adotado em 2000. 8 milhões foram pagos aos refugiados rejeitados pela Suíça e 215 milhões aos prisioneiros submetidos a trabalhos forçados em empresas que tinham alguma ligação com a Suíça.

O juiz Edward Korman, encarregado do caso, também criou um fundo de 205 milhões de dólares destinado a ajudar os sobreviventes do Holocausto que passavam necessidades.

O saldo de 800 milhões é destinado a indenizar os titulares das chamadas contas inativas em bancos suíços ou seus herdeiros. É dessa soma que sairão as indenizações das vítimas ou suas famílias que se apresentarem depois da publicação dessa lista.

swissinfo com agências

Fatos

A nova lista de 3.100 nomes soma-se aos 21 mil nomes publicados até 2001.
O acordo global de indenização foi de 1,25 bilhão de dólares.

End of insertion

Breves

- A nova lista resultou de longas negociações entre o UBS, Crédito Suíço, Comissão Federal de Bancos, Ministério da Justiça e o advogado estadunidense Burt Neuborne.

- As pessoas que identificarem um parente próximo entre os 3.100 novos nomes terão seis meses para apresentar um pedido de indenização.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?