Basileia introduz voto eletrônico para emigrantes

A partir de 29 de novembro, os eleitores de Basileia poderão votar via internet Keystone

Basileia é o primeiro estado suíço a introduzir o voto eletrônico para emigrantes. O cantão usa um sistema pioneiro desenvolvido por Genebra e que cuja adoção está sendo negociada também por Berna, Lucerna, Uri e Grisões.

Este conteúdo foi publicado em 16. junho 2009 - 12:47

A Organização dos Suíços do Estrangeiro (AS0), que há anos reivindica o voto eletrônico, acredita que agora o sistema ganhará uma nova dinâmica.

Testes feitos nos cantões de Genebra, Neuchâtel e Zurique foram bem-sucedidos. Uma das principais vantagens para os emigrantes é que não dependerão mais do correio (que muitas vezes atrasa) para participar de votações.

Apesar disso, a introdução do voto eletrônico até agora foi lenta porque os obstáculos técnicos em termos de segurança são elevados e não há vontade política para adotá-lo em todos os 26 estados (cantões) da Confederação Helvética.

"Espero que o contrato assinado agora entre os cantões de Basileia e Genebra seja um sinal para outros estados", disse o diretor da ASO, Rudolf Wyder, à swissinfo.ch.

Berna, Lucerna, Uri e Grisões: os próximos?

A Chanceleria Federal, que coordena as atividades de e-voting, estimula os governos estaduais a assinar assim os chamados acordos de hospedagem (hosting) com os três cantões que têm experiência com o voto eletrônico.

"Cabe aos cantões decidir se assinam um contrato desses com Genebra, Neuchâtel ou Zurique. Mas nossa estratégia prevê que os estados aproveitem o trabalho já realizado por outros", explica a chanceler federal Corina Casanova: "O projeto piloto entre Basileia e Genebra é um marco."

Até o final de junho de 2009, os cantões têm tempo para harmonizar seus cadastros eleitorais. A harmonização é um dos pré-requisitos para a votação eletrônica. Os governos de Berna, Lucerna, Uri e Grisões já manifestaram seu interesse em introduzir o sistema de e-voting.

Capacidade suficiente

"Podemos hospedar todos os cantões no nosso sistema. É imaginável que Basileia-Cidade continue usando nosso sistema mesmo se o cantão introduzir o voto eletrônico para todos. Não há limites técnicos ", diz o diretor do Departamento Estadual de Informação de Genebra, Michel Warynski.

Ao contrário de Zurique, que terceirizou seu sistema de e-voting para uma firma privada, Genebra desenvolveu seu próprio sistema. "Somos livres para desenvolver e mudar o sistema. Não dependemos de forma alguma de fornecedores", diz Warynski.

Caso o Conselho Federal (Executivo suíço) aprove o acordo, os cerca de 6 mil suíços do estrangeiro cadastrados em Basileia poderão votar em 29 de novembro de 2009 via internet.

Conquistar a confiança

Também Basileia hesitou quanto à introdução do voto eletrônico por causa do alto custo e pouco uso, conta a porta-voz do governo estadual, Barbara Schüpbach. As negociações com Genebra demoraram oito meses.

Elas não envolveram apenas problemas de informática, diz Schüpbach. "Tratou-se também de conquistar a confiança, que é o fator principal numa área tão sensível como o sigilo eleitoral.

Basileia vai fornecer o cadastro eleitoral a Genebra. As adaptações necessárias ao voto eletrônico custam 30 mil francos. Além disso, Genebra cobra de 1 a 3 francos por eleitor inscrito pela hospedagem do sistema.

"Estamos construindo a Suíça do século 21", disse o porta-voz do governo de Genebra, Robert Hensler, à agência Agência Telegráfica Suíça (ATS/SDA).

Andreas Keiser, Bern, swissinfo.ch

Voto eletrônico

De 2001 até 2005, os cantões de Genebra, Neuchâtel e Zurique introduziram em cooperação com o governo federal o voto eletrônico em caráter de projetos-piloto.

Devido aos resultados positivos, a experiência foi expandida. Assim foram realizados entre 2008 e 2009 os primeiros testes-piloto dos quais puderam participar suíços do estrangeiro.

No cantão de Neuchâtel, os suíços do estrangeiro registrados no chamado cadastro único e residentes em um país da União Européia ou em um dos 41 países-membros do Acordo de Wassenaar puderam votar eletronicamente em junho de 2008.

O parlamento cantonal da Berna aprovou em maio de 2009 uma lei com vistas à introdução do voto eletrônico para suíços do estrangeiro.

O objetivo do governo federal é permitir, até 2012, que até 50% dos suíços do estrangeiro possam participar das eleições e dos plebiscitos através do voto eletrônico.

End of insertion

Suíços do estrangeiro

No final do ano passado, 676.176 suíços viviam no exterior, 8.069 a mais do que no ano anterior.

Isso representa um crescimento de 1,2%. Em 2007, ainda houve um crescimento de 23.097 pessoas.

A maior comunidade de suíços na Europa vive na França (177.598 pessoas), seguida pela Alemanha (75.439 pessoas) e a Itália (48.147 pessoas).

Fora da Europa, os maiores grupos de suíços do estrangeiro encontram-se nos EUA (74.862) e no Canadá (38.200). No Brasil vivem 15.413 suíços.

Cerca de 120 mil suíços do estrangeiro estão registrados nos cadastros eleitorais de seus municípios de origem.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo