Brasileiros expatriados lançam manifesto em Genebra em defesa da democracia

Manifestantes em Genebra protestam contra o governo Bolsonaro e o fascismo no Brasil em 2018. Os expatriados agora se organizam em redes para chamar a atenção internacional ao retrocesso ambiental, social e político promovido pelo atual governo. © Keystone / Martial Trezzini

Brasileiros da Suíça lançaram um movimento em Genebra para apoiar e defender as instituições democráticas em sua pátria. 

Este conteúdo foi publicado em 07. setembro 2020 - 11:02
Keystone-SDA/ac

O "Movimento preserva Brasil" foi lançado no domingo e visa construir um amplo consenso entre os brasileiros que vivem fora do Brasil para "defender as instituições democráticas do Brasil, preservar os fundamentos da Constituição do país e promover a cidadania".  

Os signatários do "Manifesto de Genebra" - quase 200 até o momento - expressaram sua preocupação com a situação política no Brasil e quiseram mostrar sua solidariedade com seus compatriotas durante a pandemia da Covid-19.   

Eles denunciaram "as repetidas ameaças contra a Constituição e os direitos fundamentais" e "a deterioração do diálogo republicano entre os poderes constituídos e a sociedade civil". 

"Somente com a solidez dessas instituições teremos liberdade de pensamento, expressão, organização social e coexistência de diferentes orientações políticas longe do autoritarismo, populismo, intolerância e demagogia", afirma o manifesto. 

O movimento também pretende servir como um fórum onde os expatriados possam compartilhar suas preocupações sobre as crises sanitárias, sociais e econômicas pelas quais o Brasil está passando. Os nove membros fundadores vêm de diferentes setores - são médicos, advogados, jornalistas e especialistas em TI. Eles escolheram lançar este movimento em Genebra devido à presença das Nações Unidas, ONGs e muitas outras organizações internacionais. 

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo