Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um agricultor joga pesticida em Bailleul, no norte da França, no dia 15 de junho de 2015

(afp_tickers)

A Comissão Europeia decidiu nesta terça-feira relançar o procedimento para tentar convencer os países do bloco a autorizar no longo prazo o glifosato, depois de fracassar em uma tentativa anterior.

Os comissários europeus deram seu aval para "retomar as negociações com Estados-membros sobre uma possível renovação da autorização do glifosato durante 10 anos", informou à AFP uma porta-voz do executivo comunitário.

A licença desse controverso herbicida expirou na UE no verão boreal de 2016 e, sem a autorização dos 28, Bruxelas se viu obrigada a prorrogar esta licença por 18 meses, à espera de um relatório dos especialistas europeus.

França e Malta votaram contra durante uma consulta no final de junho, que junto com as abstenções de sete países (Alemanha, Itália, Portugal, Áustria, Luxemburgo, Grécia e Bulgária), bloqueou a decisão.

Em sua decisão de relançar o procedimento, "a Comissão levou em conta os últimos estudos científicos", especialmente as conclusões da Agência Europeia de Produtos Químicos (ECHA), explicou em um curto comunicado o executivo comunitário.

Em meados de março, a ECHA indicou que o glifosato não deve ser considerado uma substância cancerígena, conclusão que gerou descontentamento entre as ONGs.

A associação europeia de fabricantes de pesticidas, a ECPA, que conta entre seus membros a Monsanto, Bayer, Dow, BASF e Syngenta, disse esperar que a Comissão inicie rapidamente um novo procedimento para uma licença de 15 anos, uma duração maior do que a prevista por Bruxelas.

O interesse econômico não é inútil. O uso de herbicidas que contêm glifosato se generalizou rapidamente desde a sua chegada ao mercado na década de 1970. Com o desenvolvimento de cultivos transgênicos resistentes a essa substância, como a soja RR (Roundup Ready) da Monsanto, seu uso se generalizou ainda mais.

O eurodeputado ecologista Harald Ebner lamentou que "uma nova autorização durante 10 anos sem restrição mostra o pouco respeito pela iniciativa cidadã" que se lançou contra o glifosato.

Este movimento, que recolheu 750.000 assinaturas em quatro meses segundo o Greenpeace, busca proibir este princípio ativo, reformar o procedimento de aprovação de pesticidas e instaurar objetivos obrigatórios de redução de seu uso na UE.

AFP